EX-TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
Seja muito Bem-vindo!

Regista-te aqui e descobre a verdade sobre a "verdade"

Lê as regras e respeita-as

Alguma duvida a Adm/Mod está pronta a ajudar.



"Quando aceitamos tudo o que a Organização diz sem verificar, mostramos confiança na Organização. Mas, se mantivermos um espírito atento e examinarmos 'quanto a se estas coisas são realmente assim' (Atos 17:11), então, mostramos zelo para com Jeová. Para quem você mostra zelo?"

A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por EdenOne em Qui Jun 29 2017, 00:21

Existem muitas maneiras em como uma Testemunha de Jeová pode despertar para o facto de ser um membro de uma religião falsa. Sendo eu um amante de história e de jornalismo, o agente que espoletou o meu acordar foi a realização de que a Organização das Testemunhas de Jeová mente descaradamente e deliberadamente acerca da sua própria história. Porquê? Se são guiados por Jeová, Jesus e pelo Espírito Santo, não deveriam cometer erros, certo? Não se deveriam arvorar em profetas para depois serem achados como falsos profetas, certo? Mas, ainda que se possa admitir que cometeram erros sinceros, e que temporariamente se adiantaram á suposta orientação divina, não seria de esperar que cândidamente admitissem os seus erros, emendassem a mão, pedissem desculpas e parassem com a perpetuação de mentiras? Isso seria o mínimo que se poderia esperar de uma Organização que abertamente reclama para si o estatuto de instrumento usado por Deus na Terra.


Imediatamente, se levantam outras questões: Se mentem a respeito da sua história, sobre o que mais estão dispostos a mentir? Assuntos doutrinais? Práticas encobertas? Quando se perde a confiança na integridade de uma pessoa ou Organização, a credibilidade dessa entidade fica irremediavelmente afectada, especialmente quando se percebe que a prática de mentir, ocultar a verdade e distorcer a verdade é, mais do que um episódio isolado, uma verdadeira cultura profundamente enraizada dentro da Organização das Testemunhas de Jeová.


Acerca do assunto de admitir erros sem reservas como evidência de genuíno arrependimento de uma transgressão, é interessante que o manual para anciãos "Prestai Atenção A Vós Mesmos e a Todo o Rebanho" (Edição de 1991, páginas 114 e 115, em Português) traz a atenção os seguintes princípios, que á frente iremos ver como podem ser aplicados á Sociedade Torre de Vigia e ao Corpo Governante das Testemunhas de Jeová:


Ks91-T escreveu:É especialmente importante certificar-se de que haja genuíno arrependimento em casos de persistência no pecado, de prática de pecado. Se a prática de pecado grave se estendeu por um longo período de tempo, deve-se ter especial cuidado ao se determinar a genuinidade do arrependimento. É a pessoa cooperadora? Ao ser interrogada, são directas as suas respostas? Foram o medo e a fraqueza os motivos de a pessoa não se apresentar e confessar, ou é ela iníqua, tentando lograr a congregação? (...) O arrependimento é, em geral, manifestado por obras condizentes (...) Como se pode reconhecer o verdadeiro arrependimento: (...) Admitiu a sua transgressão (...) quando confrontada com os seus acusadores?  (...) Desculpou-se com as pessoas ofendidas, as que foram prejudicadas por seu proceder pecaminoso? (...) Lamenta profundamente que foi prejudicada a sua relação com Jeová, sentindo remorso por causa do vitupério que lançou sobre o nome e o povo de Jeová, e desejando sinceramente voltar ao favor de Deus? Inclui a sua atitude uma rejeição, de coração, pelo mau proceder como algo repugnante, odioso? (...) Os anciãos (...) devem pesar factores tais como: A seriedade do erro cometido; o tempo decorrido desde que o erro aconteceu; as circunstâncias que levaram ao erro; o grau de intencionalidade demonstrado (...) [Se] ainda assim continua impenitente, deve ser desassociada".


Lembro-me que, enquanto ancião, um dos critérios principais para determinar o grau de intencionalidade de uma transgressão era se o transgressor tinha mentido para encobrir a sua transgressão. Básicamente, se alguém mentisse para encobrir a transgressão, a desassociação era quase certa.


Vamos então aplicar estes princípios á Organização das Testemunhas de Jeová e á sua liderança. E vamos usar um exemplo de uma predição falhada abundantemente documentada: A relativa ao ano de 1914 e ao seu significado.


1914 e as Testemunhas de Jeová


Como é sabido, a data de 1914 tornou-se basilar na doutrina dos Estudantes da Bíblia (e posteriormente, das Testemunhas de Jeová) fundados por Charles Taze Russell. Não vou aqui perder tempo a discutir os méritos e deméritos dos vários cálculos cronológicos utilizados por Russell e seus associados para se chegar a essa data. O importante é saber, do ponto de vista das Testemunhas de Jeová, porque é que essa é uma data fundamental para o movimento. O principal livro de estudo que as Testemunhas de Jeová actualmente usam para conduzir estudos bíblicos com os interessados diz:




O Que A Bíblia Realmente Ensina? (Apêndice) escreveu:1914 - Um Ano Significativo Na Profecia Bíblica. Com décadas de antecedência, os estudantes da Bíblia anunciavam que em 1914 ocorreriam eventos significativos. Que acontecimentos seriam esses, e que evidências apontam para 1914 como ano tão importante? (...) Os 2.520 anos começaram em outubro de 607 AEC, quando Jerusalém caiu diante dos babilônios e o rei da dinastia de Davi foi destronado. O período terminou em outubro de 1914. Naquele tempo, terminaram “os tempos determinados das nações” e Jesus Cristo foi empossado como Rei celestial de Deus.


A principal publicação das Testemunhas de Jeová, a revista A Sentinela, afirma:


A Sentinela, 1 de Fevereiro de 2004, p.19 escreveu:Quando se aproximou esse “tempo” do fim, Jeová tomou medidas para revelar a resposta a um grupo de humildes estudantes da Bíblia. Com a ajuda do espírito de Deus, esses discerniram que “os tempos designados das nações” começaram com a destruição de Jerusalém em 607 AEC, e que esses “tempos” teriam 2.520 anos de duração. A partir disso, concluíram que 1914 marcaria o fim desse período. Entenderam também que 1914 seria o começo do fim deste sistema de coisas. 


Portanto, em publicações recentes a Organização reafirma que os Estudantes da Bíblia, liderados pelo pastor Russell, com décadas de antecedência, entenderam que:


a) Os "tempos dos gentios" terminariam em 1914
b) Que 1914 marcava o começo do fim do sistema de coisas
c) Que Jesus Cristo foi empossado no céu como Rei do Reino de Deus.


Para um movimento messiânico de restauracionismo milenarista, conhecer a data em que esse momento crucial da volta de Cristo e do restabelecimento do Reino de Deus ocorre é verdadeiramente fundamental. A Organização das Testemunhas de Jeová afirma que tal presciência só foi possível porque Jeová, através do seu Espírito Santo, pessoalmente habilitou Charles Taze Russell e os seus associados da Watchtower Society a agirem como profetas em nome de Deus. Mas, não afirmam as Testemunhas de Jeová que não são profetas?


Raciocínios Á Base Das Escrituras p.132-137 (trad. Inglês): escreveu:"As Testemunhas de Jeová não afirmam ser profetas inspirados"


A liderança das Testemunhas de Jeová até se tem dado ao luxo de criticar outros movimentos religiosos por se armarem em profetas sem terem o suporte do espírito de Deus, como por exemplo neste artigo da revista Despertai (em Inglês): 





Despertai! 8 de Outubro de 1968, p. 23 (trad. ed. Inglês) escreveu:É verdade, têm existido aqueles que no passado predisseram o "fim do mundo", até mesmo estabelecendo uma data específica. Alguns reuniram grupos de pessoas e fugiram para os montes ou recolheram-se em suas casas á espera do fim. No entanto, nada aconteceu. O "fim" não ocorreu. Eles tornaram-se culpados de falso profetizar. Porquê? O que estava faltando? O que faltava era a completa evidência em suporte do cumprimento da profecia bíblica. O que faltava a tais pessoas eram as verdades de Deus e a evidência de que Ele as estava a usar e guiar.


Mas a verdade é que em múltiplas ocasiões a Sociedade Torre de Vigia e a sua liderança afirmaram sem rodeios que eram profetas usados por Jeová Deus, e suas declarações guiadas pelo espírito santo. Veja-se por exemplo a reivindicação feita na revista A Sentinela:





A Sentinela 1 de Abril 1972, p. 197 (trad. ed. Inglês): escreveu:"Tem Jeová um profeta para os ajudar, e para os avisar dos perigos e para lhes declarar as coisas vindouras? (...) Estas questões podem ser respondidas afirmativamente. Quem é este profeta? (...) Este profeta não é um homem, mas um corpo de homens e mulheres. Foi o pequeno grupo de seguidores fiéis de Jesus Cristo, conhecidos naquele tempo como Estudantes Internacionais da Bíblia. Hoje eles são conhecidos como as Testemunhas cristãs de Jeová (...) Este grupo de seguidores ungidos de Cristo, que faziam entre a cristandade um trabalho similar ao do profeta Ezequiel entre os judeus, eram manifestamente o hodierno Ezequiel, o "profeta" comissionado por Jeová para declarar as boas novas do Reino Messiânico de Deus e proclamar o aviso á Cristandade".


Portanto, sem rodeios, a Organização e a sua liderança reclamou para si mesma o papel de profeta em nome de Jeová, comissionado directamente por Deus. Similares declarações podem ser encontradas nos livros Revelação - Seu Grandioso Clímax Está Próximo (p. 164), As Nações Terão De Saber Que Eu Sou Jeová - Como? (p. 58, 62) ou em publicações como A Sentinela (Inglês) de 15 de Janeiro de 1959 (p. 39-41), e em muitos outros lugares.


É, portanto uma MENTIRA quando a liderança das Testemunhas de Jeová diz que nunca afirmou que fosse um profeta inspirado. Pelo contrário, os factos mostram que afirmou isso mesmo, categoricamente, e reiteradamente. 


Ao se afirmar um profeta inspirado falando em nome de Deus, a Organização pretende revestir as suas declarações, ensinos e práticas de uma aura de credibilidade e de autoridade divina. É precisamente por se considerar um profeta inspirado falando em nome de Deus, que a Organização dá tanta importância e publicidade á suposta presciência de C.T. Russell acerca da então futura data de 1914. Supostamente, apenas um profeta inspirado por Jeová Deus poderia ter, com décadas de antecedência, ter percebido claramente que no ano de 1914 ocorreriam um número de acontecimentos de enorme significado bíblico. 


Relembrando, o Corpo Governante afirma que Russell e os Estudantes da Bíblia predisseram:


a) Que os "tempos dos gentios" terminariam em 1914
b) Que 1914 marcava o começo do fim do sistema de coisas
c) Que Jesus Cristo foi empossado no céu como Rei do Reino de Deus.


Mas, será que estas afirmações correspondem aos factos? Vejamos.


------------------------------------------------------


Fim da Parte 1 (Continua ...)


"O homem que não pensa por si próprio é um escravo, um traidor de si mesmo e dos seus companheiros". - Robert G. Ingersoll
"A religião é encarada pelas pessoas comuns como 'a verdade'; pelos sábios como falsidade; e pelos governantes como útil". - Séneca
"Se fosse possível raciocinar com pessoas religiosas, não haveria pessoas religiosas." - Gregory House
avatar
EdenOne
Membros
Membros

Mensagens : 340
Likes : 106
Data de inscrição : 25/03/2016
Idade : 45
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por EdenOne em Qui Jun 29 2017, 11:03

Parte 2 (Continuação)


Na realidade, o que profetizava por décadas Charles Taze Russell a respeito da futura data de 1914? 


Por exemplo, nas páginas da Sentinela, Russell escreveu:


    


Zion's Watchtower 15 Julho 1894 (Trad. Ed. Inglês) escreveu:"Em retrospectiva, notamos que as Escrituras marcaram 1873 como o fim dos seis mil anos desde Adão até ao início do sétimo milénio, e que no outono de 1874 tiveram início os quarenta anos da colheita da era do Evangelho e o dia da ira que culminará no derrube de todas as instituições do actual mundo iníquo [ou sistema de coisas]. Podemos ver que os factos confirmam estas predições das Escrituras. Presenciamos que a actual tribulação mundial teve o seu inicio nesse momento". (P. 1675) "Tenha em mente que o final de 1914 NÃO É a data para o início, mas para o fim do tempo da tribulação" (p.1677)


Portanto, Russel profetizava que o ano de 1914 marcaria o FIM da "grande tribulação" e não o seu início, como falsamente o Corpo Governante quer fazer crer através das suas publicações.


(Continua ...)


"O homem que não pensa por si próprio é um escravo, um traidor de si mesmo e dos seus companheiros". - Robert G. Ingersoll
"A religião é encarada pelas pessoas comuns como 'a verdade'; pelos sábios como falsidade; e pelos governantes como útil". - Séneca
"Se fosse possível raciocinar com pessoas religiosas, não haveria pessoas religiosas." - Gregory House
avatar
EdenOne
Membros
Membros

Mensagens : 340
Likes : 106
Data de inscrição : 25/03/2016
Idade : 45
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por CONDE DE MONTE CRISTO em Qui Jun 29 2017, 20:56

Bem explanado esse assunto
avatar
CONDE DE MONTE CRISTO

Mensagens : 8
Likes : 2
Data de inscrição : 26/06/2017
Idade : 34
Localização : Ceará

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por EdenOne em Qui Jun 29 2017, 23:31

Parte 3 (Continuação)


A partir de 1904 (dez anos antes de 1914, portanto), cautelosamente Russell alterou ligeiramente as suas predições para passar a dizer que o período de tribulação que já estava em curso, afinal talvez se pudesse estender apenas um pouco para além de 1914, conforme ele escreveu num artigo de A Sentinela em 1904:





A Sentinela 15 Julho 1904 p. 3389 (Trad. Ed. Inglês) escreveu:"É agora a nossa expectativa que o clímax anárquico do tempo da grande tribulação, que antecederá ás bênçãos do Milénio, ocorrerá após Outubro de 1914 A.D. - na nossa opinião muito rapidamente após essa data, "numa só hora", "subitamente". (...) A nossa expectativa anterior era a de que o período de anarquia duraria uns três ou quatro anos.(...) No entanto, agora vemos claramente que para alguns na congregação provavelmente restarão ainda pelo menos uns dez anos de experiência, oportunidades, testes, vitórias, alegrias e tristezas."


Russell tinha tanto de carismático e zeloso como tinha de manhoso no uso de palavras e expressões ambíguas, e nisso fez escola.


Assim, quando em 1973, quase 60 anos depois de 1914, a Organização escreve, na revista Despertai!:







Despertai! 22 janeiro 1973, p.8 (Trad. Ed. Inglês) escreveu:Entre todos os homens usados por Deus para profetizar, Jesus é o mais destacado. Com base no que ele disse, juntamente com as palavras de Daniel e João, as Testemunhas de Jeová , com décadas de antecedência, apontaram para o ano de 1914 como o início da "conclusão do sistema de coisas".




Não só foi precisamente o contrário disto que Russell profetizou, como a liderança das Testemunhas de Jeová tem continuado desde então, a mentir aos crentes sobre o que realmente se passou. 




O que Russel profetizou quanto ao estabelecimento do Reino Messiânico




Não nos devemos esquecer que Russell décadas antes de 1914, anunciava que o a "parousia" de Cristo tinha ocorrido desde 1874 e que o Reino Messiânico havia sido estabelecido no céu já em 1878. Ele escreveu no Volume IV dos Estudos Nas Escrituras - A Batalha do Armagedom (Edição de 1912):





Estudos nas Escrituras Vol. IV - A Batalha do Armagedom, p.621 
"O nosso Senhor, o Rei designado, está agora presente, desde Outubro de 1874 A.D., de acordo com o testemunho dos profetas para aqueles que têm ouvidos para escutar; e a investidura formal do seu reinado data de Abril de 1878 A.D."


Então, o que profetizou Russell e os seus Estudantes da Bíblia que ocorreria em 1914 relacionado com o Reino? Eis o que Russell profetizou no seu Volume II dos Estudos Nas Escrituras (Edição de 1902):







Estudos Nas Escrituras Vol II - Aproximou-se O Tempo Designado, p. 99 (Edição de 1902) escreveu:Em vista desta forte evidência Bíblica concernente aos Tempos dos Gentios, consideramos uma verdade estabelecida que o término dos reinos deste mundo, e o completo estabelecimento do Reino de Deus estará consumado no final de 1914 A.D.


Aqui Russell prediz que os governos humanos na terra terão sido liquidados até ao final do ano de 1914. E notem porquê terão chegado ao seu fim em 1914:







Estudos Nas Escrituras Vol. II - A Batalha do Armagedom (Ed. 1912) p. 624 escreveu:Estabelecendo O Governo Terrestre - Não devemos esperar a fase terrestre do Governo de Deus até que terminem por completo os Tempos dos Gentios (1914 A.D.); porque, ao permitir por mais um pouco o domínio dos Gentios até aquela data determinada, Deus não cometeu um erro nem os seus planos se alteraram. A fase terrestre do Reino de Deus, quando estabelecida, será Israelita. Porque esse é o compromisso, ou pacto, de Deus com Abraão e a sua descendência natural.


Ora, Russell profetizou que os governos terrestres cessariam em 1914 porque essa seria a data em que o Reino de Deus seria estabelecido na terra. E seria um reino terrestre liderado por israelitas restaurados ao território da Palestina. Russell apoiava o Sionismo (o movimento político iniciado no século 19 que visava a criação de um estado judaico na Palestina, o que, de facto veio a acontecer em 1948) porque via nisso um instrumento de Deus para o cumprimento das suas promessas feitas a Abraão. Portanto, Russell profetizou que o Sionismo triunfaria em 1914, e que os reinos da terra seriam eliminados em 1914, e que o Reino de Deus iniciaria o seu domínio terrestre em 1914 a partir da cidade de Jerusalém, na Palestina. Em outros escritos Russell profetizou também que toda a religião falsa seria destruída até ao final de 1914 e que os cristãos ungidos seriam levados para o céu até ao final desse ano. 


(Continua ...)


"O homem que não pensa por si próprio é um escravo, um traidor de si mesmo e dos seus companheiros". - Robert G. Ingersoll
"A religião é encarada pelas pessoas comuns como 'a verdade'; pelos sábios como falsidade; e pelos governantes como útil". - Séneca
"Se fosse possível raciocinar com pessoas religiosas, não haveria pessoas religiosas." - Gregory House
avatar
EdenOne
Membros
Membros

Mensagens : 340
Likes : 106
Data de inscrição : 25/03/2016
Idade : 45
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por EdenOne em Sex Jun 30 2017, 20:21

Parte 4 (Continuação... )


Portanto, as Testemunhas de Jeová nos nossos dias estão perante a seguinte situação:



                                

O que a Organização diz que aconteceu:

       
               

O que realmente aconteceu:

                       
 

Observações

                                              

 Guiados pelo Espírito Santo de Jeová, com décadas de antecedência, Charles Taze Russel e os Estudantes da Bíblia são o único grupo religioso que correctamente identifica 1914 como o ano em que terminariam os “tempos designados das nações” de Daniel 2, 11 e 12 , Mateus 24 e Lucas 21.

 Charles Taze Russell e os seus Estudantes Internacionais da Bíblia, recorrendo a pesquisas de outros pregadores como William Miller, George Storrs, George Stetson, Nelson H. Barbour e esoteristas como John Taylor e Charles Piazzi Smyth aderem á teoria de que existe uma cronologia bíblica oculta que aponta para outubro de 1914 como o término dos “tempos designados das nações”

É facto que os Estudantes da Bíblia indicaram com bastante antecedência o ano de 1914 como o ano em que terminariam os “tempos dos gentios”; no entanto falharam em toda a linha nas predissões que fizeram a respeito dessa data.

 Russell e os Estudantes da Bíblia discerniram com décadas de antecedência que 1914 marcaria o começo do fim (ou os “últimos dias”) do “sistema de coisas”

 Russell consistentemente predisse que 1914 marcaria o término do “sistema de coisas”, após um período de tribulação (os “ultimos dias) que dizia terem iniciado em 1799. Em 1904 ele alterou a sua posição, e admitiu que os “ultimos dias” talvez pudessem estender-se por um breve período [meses] após Outubro de 1914. 

NÃO SE CUMPRIU

 Russell e os Estudantes da Bíblia discerniram com décadas de antecedência que Outubro de 1914 marcaria o início do Reino Messiânico nos céus com a entronização de Jesus como Rei do Reino de Deus.

 Russell e os Estudantes da Bíblia ensinaram que a posse de Jesus como Rei do Reino nos céus já tinha ocorrido em Abril de 1878; que a “parousia” [presença] de Jesus já tinha ocorrido em 1874; predisseram que em 1914 teria início a fase terrestre do Reino Messiânico, com a restauração dos judeus naturais á Palestina e a capital do Reino em Jerusalém. 

NÃO SE CUMPRIU

 Russell e os Estudantes da Bíblia predisseram que a anarquia global associada ao crescimento do socialismo culminaria em 1914 com a dissolução de todos os governos humanos e a sua substituição pelo Reino de Deus na sua expressão terrestre, liderada pelos israelitas naturais, com capital em Jerusalém. 

NÃO SE CUMPRIU

 Russell previu que em 1914 toda a religião falsa seria destruída.



NÃO SE CUMPRIU

 Russell predisse que os cristãos ungidos seriam levados para o céu em 1914.

NÃO SE CUMPRIU

 Russell e os Estudantes da Bíblia “consistentemente “ apontaram para 1914

 Quando 1914 passou e nada do que tinham predito sucedeu, Russell alterou a sua data para 1915, inclusivamente reeditando os volumes dos Estudos Nas Escrituras para refletir esta nova data.

NÃO SE CUMPRIU


Embaraçoso? Com certeza que sim. Tudo aquilo que Russell e o seu movimento dos Estudantes Internacionais da Bíblia predisseram que ocorreria em 1914 falhou redondamente. NADA daquilo que o pastor Russell gastou páginas e páginas impressas a profetizar e milhares de horas a discursar acerca de 1914 se cumpriu. Nem o irromper do conflito mundial em 1914-1918 levou ao cumprimento das profecias em que Russell e seus seguidores tanto se haviam empenhado em divulgar. O que demonstrava isso? Demonstrava que Russell e o movimento que fundou eram FALSOS PROFETAS. Afinal, não é esse o teste que indica a legitimidade de um profeta? É a Bíblia que o diz:


Deuteronômio 18:20-22 escreveu:“‘Se um profeta presunçosamente falar em meu nome alguma palavra que eu não lhe mandei falar ou falar em nome de outros deuses, esse profeta deverá morrer. Mas talvez você diga no seu coração: “Como saberemos que Jeová não falou essa palavra?” Quando o profeta falar em nome de Jeová e o que ele disser não acontecer nem se cumprir, então Jeová não falou aquela palavra. O profeta a falou presunçosamente. Você não deve ficar com medo dele.’

É simples. Se aquilo que o profeta falou não se cumprir, então ele é um falso profeta. Se Russell, á luz do seu entendimento das Escrituras, e alegando que estava sendo dirigido pelo Espírito de Deus, profetizou que certos acontecimentos graciosos iriam ter lugar em 1914, e eles não aconteceram, então estamos perante falsos profetas. Do ponto de vista da Bíblia, quão grave é o falso profetizar? Era merecedora do máximo castigo, a morte.



Mas, será que se tratava de falso profetizar, ou apenas de "expectativas erradas" por parte de Russell e seus associados?


(Continua...)


"O homem que não pensa por si próprio é um escravo, um traidor de si mesmo e dos seus companheiros". - Robert G. Ingersoll
"A religião é encarada pelas pessoas comuns como 'a verdade'; pelos sábios como falsidade; e pelos governantes como útil". - Séneca
"Se fosse possível raciocinar com pessoas religiosas, não haveria pessoas religiosas." - Gregory House
avatar
EdenOne
Membros
Membros

Mensagens : 340
Likes : 106
Data de inscrição : 25/03/2016
Idade : 45
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por EdenOne em Sex Jun 30 2017, 23:28

Parte 5 (Continuação ...)


FALSA PROFECIA OU "EXPECTATIVAS FRUSTRADAS"?


No recente livro "O Reino de Deus Já Governa" (2014), assim como em publicações das ultimas décadas, o Corpo Governante habilmente chama ao falhanço das previsões de Russell "expectativas frustradas" (p.23 §33). Com esta linguagem quase inócua, procura branquear aquilo que, do ponto de vista bíblico, é um pecado muito grave: o pecado da falsa profecia.


De acordo com a obra de referência Estudo Perspicaz Das Escrituras, a definição de "profeta" é:


iT3 p. 336 escreveu:PROFETA - Alguém por meio de quem se dá a conhecer a vontade e os propósitos divinos. (...) A palavra grega pro-fé-tes significa literalmente "proclamador", e assim descreve um anunciador, alguém que torna conhecidas mensagens atribuídas a uma fonte divina. Embora isso inclua a ideia de alguém que prediz o futuro, o significado fundamental não é o de predição. Todavia (...) na grande maioria dos casos, os profetas bíblicos deveras transmitiram mensagens que estavam directa ou indirectamente relacionadas com o futuro."

Assim, e de acordo com a própria definição que o Corpo Governante dá para o termo 'profeta', pouco importa se o que Russell disse eram previsões acerca do futuro ou uma meras expectativas suas. O que realmente interessa é que ele afirmava ser um arauto, ou proclamador, da vontade e dos propósitos divinos, movido pelo próprio Espírito de Deus, a quem ele e seus seguidores repetidamente atribuíram
 a origem dos seus entendimentos:


Zion's Watchtower 15 Julho 1894, p. 1677 (226) escreveu:"os nossos leitores escrevem-nos para saber se porventura não haverá um erro na data de 1914. Eles não vêem como as presentes condições possam perdurar por tanto tempo nesta agonia. Nós não vemos motivo para alterar os cálculos - nem os poderíamos mudar mesmo que quiséssemos. Eles são, acreditamos, as datas de Deus, e não as nossas."


Estudos Nas Escrituras Vol. VII - O Mistério Consumado p. 387, Trad. Ed. Ing. escreveu:Ele [Russell] disse que nunca poderia ter escrito os seus livros por si mesmo. Tudo veio de Deus, através da iluminação do Espírito Santo.


Importa referir que por muitos anos após 1914, a Organização - agora comandada por Joseph F. Rutherford - continuou a proclamar a mesma mensagem de Russell referente ao significado de 1914, até que, reconhecendo que os factos as tornaram indefensáveis, as abandonou e substituiu por novas interpretações durante a década de 1930.


Assim, quem afirma proclamar uma mensagem acerca dos propósitos divinos que lhe foi confiada por Deus através do Espirito Santo, não interessa que nome lhe demos - profecia ou expectativa - tal pessoa assume um trabalho de PROFETA. E se a sua mensagem for invalidada pelos factos, então tal pessoa revelou ser um FALSO PROFETA. Isto certamente que se aplica a Charles Taze Russell e aos seus Estudantes Internacionais da Bíblia e aos seus pretensos herdeiros espirituais, as Testemunhas de Jeová, que de dizem "Proclamadores [pro-fé-tas] do Reino de Deus".


Como vimos, a Sociedade Torre de Vigia e a liderança das Testemunhas de Jeová consideram-se profetas movidos e guiados pelo Espírito Santo de Deus e segundo a sua vontade. Aqui está o cerne da questão. O ponto central aqui é a questão da autoridade. Com que autoridade exige o Corpo Governante que as Testemunhas de Jeová lhes prestem obediência e acreditem em todo o ensino e orientação fornecidas pelo "escravo fiel"? Porque afirmam que são o único canal que Deus usa para conduzir os seus adoradores fiéis e divulgar a sua mensagem ao mundo. Por outras palavras: Reclamam para si o estatuto de exclusivos verdadeiros profetas de Deus nos tempos modernos. desobedecer ao profeta escolhido por Jeová equivale a rejeitar o próprio Jeová e todo o seu propósito. 


É esta a verdadeira razão pela qual a liderança das Testemunhas de Jeová não pode admitir que Charles Taze Russell e os seus Estudantes da Bíblia foram falsos profetas, e que a tão estimada e fundamental data profética de 1914 não passa de um fiasco de falsa profecia. É por isso que a Organização prefere mentir, mentir, mentir, a admitir uma verdade que totalmente compromete a sua credibilidade.


Notem um exemplo clássico em como a liderança das Testemunhas de Jeová mente com o mais elevado grau de intencionalidade acerca do seu passado duvidoso:


O badalado artigo no jornal The World em 1914.



Em várias publicações da Organização é feita referência a um artigo de jornal publicado no periódico nova-iorquino The World na sua edição alargada de fim-de-semana, de 30 de Agosto de 1914. 




Por exemplo, no livro Revelação - Seu Grandioso Climax Está Próximo, na página 105, o leitor encontra uma caixa com o seguinte tema: "1914 Foi Previsto". 








Entre outras referências, dá-se destaque ao dito artigo, citando o seguinte trecho:

Revelação Climax p. 105 (Caixa) escreveu:"O horrível irrompimento da guerra na Europa tem cumprido uma profecia extraordinária. No último quarto de século, por meio de pregadores e pela imprensa, os 'Estudantes Internacionais da Bíblia', melhor conhecidos como 'Auroristas do Milénio' têm proclamado ao mundo que o Dia da Ira profetizado na Bíblia amanheceria em 1914. "Olhem bem para 1914!" - tem sido o brado de centenas de evangelistas viajantes" - The World, jornal de Nova Iorque, 30 de Agosto de 1914.


A citação do mesmíssimo trecho do referido artigo podem ser encontradas no livro Proclamadores (Página 60, caixa) e ocasionalmente em outras publicações, desde há décadas. Porquê esta citação recorrente? Porque aparentemente, por se tratar de uma notícia num órgão de informação independente, parece refletir a opinião de um observador imparcial e externo á Sociedade Torre de Vigia que corrobora e valida a mensagem dos Estudantes da Bíblia acerca do significado que vinham anunciando do ano de 1914. No fundo, este artigo é usado como reforço de autoridade da mensagem e dos portadores de tal mensagem. Confesso que, enquanto fui Testemunha de Jeová, esta citação não deixava de me impressionar. Afinal de contas, não tendo eu vivido aqueles anos, tinha ali preservado um testemunho objectivo, independente e eloquente de um jornalista observador atento e isento que relatou como, em sua opinião, a Primeira Guerra Mundial provava a incrível credibilidade da mensagem que vinha a ser proclamada por Charles Taze Russell e seus associados. Por isso mesmo é que esse artigo é citado vez após vez até mesmo em publicações recentes. Sempre o mesmo trecho.  



Uma única vez a Organização reproduziu uma imagem desse artigo, na revista Despertai! de 8 de Outubro de 1972, página 17 (em inglês) Vejamos:







Ali está, no canto superior esquerdo, uma espécie de "recorte" do artigo em questão. E o título: "A profecia com 25 anos dos Auroristas do Milénio". Notem como a reprodução do artigo é feita em letras muito miudinhas para tornar quase impossível a leitura do mesmo, fazendo a revista Despertai! o favor de reproduzir essencialmente o mesmo trecho do artigo na coluna da direita. O leitor fica convencido pela "prova" apresentada que o artigo é factual. Porém ....


Que tal se olharmos para o artigo original na sua totalidade?






Logo ali no título percebemos porque é que a Organização recortou cirurgicamente o artigo para o reproduzir apenas em parte. É que o verdadeiro título principal do artigo é outro, e anuncia bombasticamente: FIM DE TODOS OS REINOS EM 1914. Ora, sabemos hoje que tal proclamação se veio a revelar falsa. Essa era uma verdade muito inconveniente que a Organização foi cuidadosa em esconder dos seus leitores da revista Despertai! quase seis décadas mais tarde.


Uma leitura do artigo publicado no The World revela duas coisas, uma quanto ao seu conteúdo, outro quanto ao seu estilo:


Conteúdo - O artigo discorre acerca de todas as predições que C.T. Russell tinha vindo a fazer, incluindo aquelas que prediziam o fim de todos os governos e da religião falsa e o estabelecimento do Reino de Deus na terra em 1914 ... todas aquelas predições que, como vimos, acabaram por se revelar falsas. Vai ao ponto de reproduzir um diagrama originalmente publicado num dos volumes dos Estudos nas Escrituras. O artigo foi publicado logo após o irrompimento da 1a Guerra Mundial (28 de Julho) e antes da data prevista por Russell (1 de Outubro). O tempo da publicação parece extraordinariamente certeiro e conveniente para atingir um determinado propósito: agitar, causar comoção e interesse na mensagem apocalíptica dos Estudantes da Bíblia.


Estilo - Para quem tem algum treino em técnicas de Marketing, a leitura do artigo não deixa margem para dúvidas. Não se trata de um artigo noticioso legítimo, mas aquilo que na gíria editorial se chama um "advertorial" (contração das palavras inglesas 'advertisement' + 'editorial'). O que é um 'advertorial'? Um website de técnicas de comunicação define assim:


https://toolkit.osha.europa.eu/tools/media-communication-tools/advertorial[/mention] escreveu:Advertorial - "Um advertorial é um anúncio publicitário escrito na forma de um artigo objectivo, e apresentado numa publicação impressa, usualmente desenhado para se parecer com uma independente e legítima história noticiosa. Uma diferença substancial entre um editorial normal e um advertorial é que os clientes controlam a aprovação do conteúdo dos advertorials, um luxo que não existe num editorial normal. As pessoas em geral são mais propensas a acreditar num coisa se a lerem num artigo de notícias. Por não se tratar de publicidade frontal, as pessoas assumem que se trata de uma opinião veiculada por uma publicação que elas respeitam. Por forma a manter esta aparência de imparcialidade, você deve evitar a todo o custo submeter um artigo que claramente soe como um anúncio publicitário. Um advertorial é uma forma de publicidade comercial, o que significa que é paga por alguém [para ser colocada entre as noticias legítimas]. Os leitores podem ficar céticos acerca do conteúdo se notarem que se trata de um advertorial.

Outra definição:


Advertorial (Merriam-Webster) escreveu:(...) Em publicações impressas, a mensagem publicitária é usualmente escrita na forma de um artigo objectivo e preparada de tal modo a que ostensivamente tenha o aspecto de uma história noticiosa legítima e independente. (...) Os advertorials diferem da publicidade tradicional no sentido de que são desenhados para se parecerem indistintos dos outros artigos que aparecem na publicação.
 

O artigo que apareceu no jornal The World não é mais do que PUBLICIDADE PAGA, que terá sido escrito por um Estudante da Bíblia ou até mesmo pelo próprio punho de C.T. Russell, mas publicado como se se tratasse de uma notícia legítima. Hoje em dia, as leis que protegem os consumidores obrigam as publicações e websites a identificarem este tipo de conteúdos para que o leitor não seja enganado, mas em 1914 um jornal como o The World não se furtava a ganhar uns cobres a mais e deixar que um grupelho de excêntricos religiosos liderados por um pastor milionário e carismático publicasse um advertorial como se se tratasse de uma notícia legítima. Era algo comum na época, e ainda subsiste hoje, embora com regras mais apertadas.


Agora reflita um pouco em como isto espelha bem o tipo de Organização que está por detrás deste tipo de técnicas de comunicação. 


(continua ...)


"O homem que não pensa por si próprio é um escravo, um traidor de si mesmo e dos seus companheiros". - Robert G. Ingersoll
"A religião é encarada pelas pessoas comuns como 'a verdade'; pelos sábios como falsidade; e pelos governantes como útil". - Séneca
"Se fosse possível raciocinar com pessoas religiosas, não haveria pessoas religiosas." - Gregory House
avatar
EdenOne
Membros
Membros

Mensagens : 340
Likes : 106
Data de inscrição : 25/03/2016
Idade : 45
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por hocosi em Dom Jul 02 2017, 11:40

Como sempre uma excelente argumentação que demonstra bem a falácia desta Organização que continua a enganar especialmente nos países com grandes carências económicas. São estúpidos os que lá continuam? Sim e não. Por um lado, muitos já se deram conta das incongruências e do despotismo desta Organização mas preferem acomodar-se. Os outros não tem nem inteligência nem formação para saberem discernir e deixam-se guiar por "guias cegos" onde acabarão por cair numa cova. Aliás é o que vai acontecer a toda a gente. Cair na Cova. VIVAM A VIDA e deixem-se de tretas!



"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro. A real tragédia da vida são os adultos que têm medo da luz" . Platão
avatar
hocosi
Membros
Membros

Mensagens : 2644
Likes : 357
Data de inscrição : 28/12/2011
Idade : 61
Localização : Braga (Distrito)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por EdenOne em Dom Jul 02 2017, 11:59

Parte 6 e CONCLUSÃO


Usei apenas as predições feitas por Charles Taze Russell e os seus Estudantes Internacionais da Bíblia referentes a 1914 como um exemplo de como a Organização das Testemunhas de Jeová tem falhado no seu papel de profeta de Deus, revelando-se um falso profeta, e como deliberadamente mente e engana os membros do rebanho desde o início para ocultar os seus falhanços que colocam em causa a sua autoridade como "porta-vozes" designados por Jeová Deus e Jesus Cristo. Poderia ter usado muitos mais exemplos.


Como então julgar esta religião? Já que estamos em época de Congressos de verão, vamos imaginar um DRAMA.


Neste drama, a Organização será julgada por um grupo de anciãos numa hipotética Comissão Judicativa, á luz dos princípios de julgamento elencados no manual para os anciãos, que citei no primeiro post. Como se sairá a organização nesta Comissão Judicativa? Não, perca, já a seguir, o emocionante drama: "A ORGANIZAÇÃO É JULGADA Á BASE DOS SEUS PRÓPRIOS PRINCÍPIOS".


----------------------------------------------------------------------


Cenário:
Ancião Fariseu, Ancião Sonso e Ancião Maçarico reunem-se á noite em comissão judicativa com a irmã Orga Desgovernada na biblioteca do Salão do Reino. Após uma breve oração do Ancião Sonso solicitando o Espirito Santo para ajudar a irmã Orga a restabelecer uma boa relação espiritual com Jeová e manter a paz na congregação, o presidente da Comissão Judicativa abre a reunião:

 
Ancião Fariseu – Irmã Orga, pedimos para se reunir com esta comissão judicativa, porque chegou ao nosso conhecimento que terá cometido uma transgressão séria que, a confirmar-se, coloca em causa a sua continuidade como membro da congregação do povo de Jeová. A irmã está ciente da acusação que lhe é feita?
 
Irmã Orga Dergovernada – Mas qual acusação?? Eu não fiz nada de errado, e Jeová é minha testemunha!!
 
Ancião Sonso – Bem, irmã, na realidade, técnicamente a irmã é que é Testemunha de Jeová, e não o contrário. Percebe? (risinho)
 
Ancião Fariseu – Ummm … pois, obrigado, Ancião Sonso. Continuando … Foi-nos relatado que a irmã Orga se envolveu, digamos, numa conduta perigosa e imprudente, e que resultou em pedra de tropeço para a congregação e em vitupério para o nome de Jeová.
 
Irmã Orga Desgovernada – Irmão Fariseu, a Bíblia diz que “cada um levará a sua própria carga”. Se alguém tropeçou por alguma coisa – e com isto não estou a admitir que fiz alguma coisa errada – a culpa é certamente da pessoa, que não estava espiritualmente saudável, deixou-se levar pela emoção, foi vítima das artimanhas do Diabo ou dos seus desejos egoístas ou desejo de destaque. Eu é que não tenho culpa de nada, estou inocente de tudo!
 
Ancião Maçarico – Mas irmã, como pode dizer que está inocente, se nós ainda nem dissemos de que é acusada? Tem a consciência pesada?
 
Irmã Orga Desgovernada – Oh seu … irmão Maçarico, ainda você andava de calções a correr no corredor do Salão e já eu era missionária e tinha sido chamada para a esperança celestial! Acha que me pode dar lições da Bíblia? Eu, que vou fazer parte do Reino – se Jeová permitir! – vou receber lições de um rapazinho que nem pioneiro é, e ainda cheira a leitinho? Estou ofendida! Porque é que o escolheram a si para estar aqui? Oh, Pai Jeová, dê-me paciência!
 
Ancião Fariseu – Irmã Orga, por favor não se exalte nem se enerve, estamos aqui para procurar reajusta-la e chama-la á razão. Não acha que é melhor mostrar um espírito de humildade e cooperação com o Corpo de Anciãos, que amorosamente  providenciaram esta Comissão Judicativa para lhe dar uma oportunidade de se defender e corrigir a sua conduta? É que a acusação é, francamente, muito grave.
 
Irmã Orga Desgovernada – Humildade? Não há no mundo pessoa mais humilde do que eu!! Seja lá qual for a acusação, é mentira, e é obra de apóstatas que querem arruinar a minha reputação!
 
Ancião Fariseu – Bom, veremos. A irmã foi acusada de falso profetizar.
 
Irmã Orga Desgovernada – O quê?? Eu, falso profetizar? Mas que conversa é essa?? Mas eu recebi o Espírito Santo, Jeová ilumina o meu caminho, Cristo é o meu amo. Falsa profeta, eu?? Só podem estar a brincar. Nunca na vida! Mais mentiras de apóstatas invejosos e desejosos de protagonismo! Nunca fiz falsas profecias! Eu nem sou profeta inspirada!
 
Ancião Sonso – É mais profeta desinspirada … (risos)
 
Ancião Maçarico – Irmã Orga, eu fui pesquisar os seus posts no Fakebook e Instagrama antes de 1914, e lá você escreveu coisas a respeito de 1914 que me deixaram sinceramente muito perturbado.
 
Irmã Orga Desgovernada – O quê?! Vocês andaram a espiar a minha actividade nas redes sociais? Mas em que mundo é que vivemos? Desde quando anciãos da congregação espiam os seus irmãos na fé? Acho inconcebível! E mais, vocês não têm nada que andar a remexer nos meus posts antigos. Isso é quase apostasia.
 
Ancião Maçarico – Como assim? Então não foi você que escreveu aqueles posts quando já tinha sido ungida com o Espírito Santo?
 
Irmã Orga Desgovernada – Irmão Maçarico, não pise em ramo verde comigo! O passado é o passado, e o que eu entendia então já não interessa e ler essas coisas só vai dexar as pessoas simplórias como você confusas. Se não entende de coisas espirituais profundas dos ungidos, é melhor que não vá lá espiolhar, porque isso só o vai confundir. Limite-se a ler os meus posts mais recentes, e esqueça o resto!
 
Ancião Maçarico – Mas irmã, repare que algumas coisas que escreveu, hoje em dia seriam consideradas apostasia …
Irmã Orga Desgovernada – Isso é se OUTRA pessoa as escrevesse. Mas estamos a falar de MIM, que sou um dos ungidos e escolhidos. A cada momento, eu sou usada por Jeová segundo a voltade dele, e os meus posts são apropriadas para cada momento. O irmão acha que tem mais Espirito Santo do que eu para me julgar, acha, acha?
 
Ancião Sonso – Isso é, se partirmos do princípio que a irmã foi mesmo escolhida e pertence mesmo á classe dos ungidos …
 
Irmã Orga Desgovernada – Como se atreve??  O Espírito dá testemunho com o meu espírito que sou ungida. Eu até sonho á noite em viver no céu e sentar-me num trono com o Senhor. O irmão por acaso tem sonhos assim?? Que lata questionar a minha designação!
 
Irmão Fariseu – Bom esse é um assunto entre si e Jeová que não vamos aqui discutir. Mas, importa-se de abrir a Bíblia e ler comigo Deuteronômio 18:20-22? O que diz aqui que é a prova se um profeta é verdadeiro ou não? Se as suas palavras se cumprirem, então é um profeta verdadeiro, se não se cumprirem, então não foi incumbido por Jeová, e é um falso profeta.
 
Irmã Orga Desgovernada – Mas nos posts que eu fiz, eu nunca escrevi “assim disse Jeová”. Logo, eu não profetizei em nome de Jeová, logo, não sou falsa profeta.
 
Irmão Fariseu – Mas isso é um argumento descabido. Ainda agora a irmã disse que era guiada pelo Espírito Santo, logo, por Jeová.
 
Irmã Orga Desgovernada – E sou.
 
Irmão Fariseu – Mas escreveu coisas que não se cumpriram. Logo, falsas profecias …
 
Irmã Orga Desgovernada – O irmão está para aí a falar como falam os apóstatas e não percebe nada. Se Jeová permitiu que eu escrevesse aquelas coisas, então é porque na época era da vontade dele que aquelas coisas fossem escritas. Lógico, não é?
 
Irmão Fariseu – Mas assim está a lançar sobre Jeová a culpa da falsa profecia.
 
Irmã Orga Desgovernada – Mas qual falsa profecia?? Irra! Foram meras expectativas frustradas, irrealistas, que eu escrevi por excesso de zelo, é isso.
 
Irmão Maçarico – Estamos aqui a discutir sobre palavras. Profecias ou expectativas, o resultado é o mesmo. A irmã fez posts no Fakebook e no Instagrama, dizendo que o fazia sob a direcção do Espírito Santo, e depois as suas palavras foram desmentidas pelos factos. Isso chama-se falso profetizar, e, de acordo com Deuteronómio, é um pecado grave, punido com a morte. Hoje em dia, isso equivale á desassociação. Percebe a gravidade do assunto?
 
Irmã Orga Desgovernada – Acho que vocês estão a fazer muito barulho por nada. Eu já não tenho aqueles entendimentos, porque a luz brilhou mais e mais para mim, e agora entendo as coisas de outra maneira. Aquilo já não interessa para nada. Vocês não deviam perder tempo com essas coisas antigas. O que interessa é o meu entendimento actual.
 
Ancião Sonso – Quer dizer então que se arrepende de ter publicado falsas profecias e quer-se desculpar perante Jeová e a congregação?
 
Irmã Orga Desgovernada – Mas arrepender-me de quê, senhores?? Eu não fiz nada de errado. As coisas que escrevi estavam certas. Para aquela época estavam certas. Talvez houvesse algumas coisas em que me tenha excedido, mas no essencial tudo o que escrevi bateu certo e isso prova que Jeová sempre esteve comigo.
 
Ancião Maçarico – Desculpe? Os factos mostram que NADA do que escreveu bateu certo, e está em franca contradição com o entendimento actual. Como pode afirmar uma coisa dessas? A irmã está a mentir e minimizar a gravidade do que se passou.
 
Irmã Orga Desgovernada – Irmãos, eu nunca minto! Eu sou humilde para reconhecer os meus erros! Excedi-me um pouco, talvez. Mas eu não fiz nada de errado e tudo o que escrevi bateu certo, o que mostra que Deus me iluminou então e continua a iluminar-me agora.
 
Ancião Fariseu – Irmã, nos seus posts mais recentes, a irmã diz que escreveu no passado coisas que na realidade a irmã não escreveu. Aliás, a irmã diz que escreveu certas coisas que depois, vamos a ver e são mesmo o contrario daquilo que a irmã diz. Isso é desonesto, não acha? E nós também viémos a saber que a irmã tentou editar os seus posts passados para fazer crer que tinha escrito coisas diferentes do que escreveu. Isso é muito grave, irmã.
 
Irmã Orga Desgovernada – Olhe irmão, se for por esse caminho, está a lutar contra um ungido de Jeová, o que significa que está a lutar contra Jeová Deus e Jesus e o Espirito Santo. Quer estar nessa posição? Cuidado, muito cuidado!!!....
Ancião Fariseu – Irmã Orga, o que eu sei é o que está escrito na Bíblia, e sobre a Bíblia eu tenho a certeza que foi escrita por Espírito Santo. Já aquilo que a irmã escreve, não tem com certeza o mesmo valor, ou tem?
 
Irmã Orga Desgovernada – Claro que a Bíblia é a Palavra de Deus e eu nunca por nunca ser me desvio dela. Mas quando eu escrevo sob a orientação do Espírito Santo, a fonte é a mesma da Bíblia, e é conhecimento actualizado.
 
Irmão Fariseu – Irmã, isso que está a dizer é quase blasfémia. Tenho aqui um dos seus posts no Fakebook e aqui está a Bíblia. Qual deles é que devo estimar mais?
 
Irmã Orga Desgovernada – Os meus posts estão sempre de acordo com a Bíblia. Se seguir os meus posts está a seguir a Bíblia. Se não aceitar os meus posts está a ir contra a Bíblia e contra Jeová. É simples.
 
Irmão Maçarico – Mas claramente alguns dos seus posts estão em desacordo com a Bíblia ou, no mínimo, distorcem o que a Bíblia diz. Isso é grave. Isso é apostasia contra a Palavra de Deus.
 
Irmã Orga Desgovernada – Apostasia? Não me faça rir! Isso é intepretação de alguém que, não sendo ungido, não percebe nada da direcção do Espírito de Deus. O irmão não tem qualificações espirituais para me julgar. Repito: Não cometi nenhum pecado, e tudo o que eu disse era apropriado para a época em que escrevi. Não peço desculpa por nada porque se me enganei em alguma coisa, for apenas por excesso de zelo. Se alguém tropeçou por causa disso, então foi porque não reconheceram a diracção do Espírito e queriam destaque pessoal. Eu sou humilde, completamente humilde, e não existe presunção da minha parte! O agora é que importa, porque Deus fala por meu intermédio a cada momento.
 
Ancião Fariseu – A irmã tem insistentemento mentido por anos acerca do que fez, e continua a mentir para encobrir ou minimizar a sua transgressão. Isso em si mesmo é um pecado sério e agrava mais ainda a sua situação. Percebe isso? Não se deseja retratar e pedir o perdão de Jeová?
 
Irmã Orga Desgovernada – Não menti, não menti, não menti! Nunca escrevi falsidades! Vocês são todos uns apóstatas e filhos do Diabo que só me querem denegrir para poderem arranjar na congregação discípulos para vocês mesmos. Eu posso ter os meus defeitos, mas é a MIM que Jeová usa, e quando eu sirvo na capacidade de ungida, eu sou perfeita!
 
Ancião Fariseu (abanando a cabeça) – Bom, acho que chegamos ao limite do que podíamos fazer. O que é que os irmaõs julgam?
 
Ancião Sonso – Eu entendo que a irmã cometeu o pecado de falsa profecia, e não se arrependeu, e mentiu continuadamente para encobrir o seu erro. Acho que deve ser desassociada.
 
Ancião Maçarico – Concordo inteiramente. Sem dúvida, de acordo com os princípios do manual para anciãos, não merece misericórdia. Voto pela desassociação.
 
Ancião Fariseu – Eu também concordo. Irmã Orga Desgovernada, informo-a que, a partir deste momento, não é mais uma Testemunha de Jeová.
 
Irmã Orga Desgovernada – Acha que me ralo? Eu mudo de nome outra vez e levo a maior parte do rebanho atrás de mim. Já fiz isso uma vez, não tenho problemas em fazer isso de novo. Adeus, seus falhados!
E com isto levanta-se, sai do sala, agarra no seu smartphone, e prepara mais um post no Instagrama ...
-----------------------------------------------------------------------------------

FIM


"O homem que não pensa por si próprio é um escravo, um traidor de si mesmo e dos seus companheiros". - Robert G. Ingersoll
"A religião é encarada pelas pessoas comuns como 'a verdade'; pelos sábios como falsidade; e pelos governantes como útil". - Séneca
"Se fosse possível raciocinar com pessoas religiosas, não haveria pessoas religiosas." - Gregory House
avatar
EdenOne
Membros
Membros

Mensagens : 340
Likes : 106
Data de inscrição : 25/03/2016
Idade : 45
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por Kristy123 em Ter Jul 04 2017, 18:44

Olá EdenOne,

Como sempre, as tuas considerações são sempre muito bem argumentas e fundamentadas!

Infelizmente, só não vê mesmo, quem não quer...  ou quem já não consegue ver mais nada à sua frente com tanta Luz ao seu redor...  
E é assim, que eu consigo interpretar o que diz em 2 Corintios 11

A organização é um falso profeta! E é por isto tudo, que a orga tenta ignorar e esconder o seu passado. Quase todos os ensinamentos da orga, são contos da carochinha, embrulhados em grandes tretas!

Parabéns, EdenOne pelas tuas pesquisas e a partilha da “tua sabedoria”.  
Da minha parte, recebes toda a minha admiração e considerção e tens nota 10.

Se me permites dizer só um pequeno reparo da minha parte. Todo este assunto explanado, é um assunto bastante pesado e sério e a maior parte das TJ baseiam a sua crença nestas falácias e o tal despertar que inevitavelmente um dia se dá em cada um, é demasiado forte e doloroso, quando se descobre que tudo não passa de grandes mentiras e invenções de lunáticos, nas quais se acreditou piamente. Talvez, por esta razão, eu não teria finalisado as tuas considerações com este drama, que não deixou de ter uma certa graça. Teria colocado esta comédia à parte, talvez noutro tópico. Mas esta é a minha opinião pessoal e foi isto que eu senti, quando li o final. Mas talvez esteja a ver mal, porque na realidade todas as teorias religiosas desta seita, não passam de uma grande comédia.

Kristy123
avatar
Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4298
Likes : 243
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 98
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por EdenOne em Ter Jul 04 2017, 22:34

Pois, Kristy, como disse o Pilatos ... "O que escrevi, escrevi." (João 19:22) Very Happy

Admito que assuntos de doutrina podem ser um tanto enfadonhos para algumas pessoas, e este assunto de 1914 pode ser um tanto pesado. E há tanto, tanto a dizer sobre isso....

O drama no final é só para ilustrar, de uma forma ligeira e divertida, como a defesa da Organização é absurda, ridícula, falaciosa, e está em completa negação dos princípios que ela mesmo advoga para julgar os outros. Esta religião merece ser desassociada da vida dos seus crentes. Esta é uma religião de patranhas sobre patranhas, e ainda mais patranhas, que apenas visam controlar a mente das "ovelhas"; e depois de uma pessoa começar a abrir os olhos, encontra cada vez mais exemplos de como a desonestidade corre bem fundo, e faz parte do ADN desta Organização desde o seu início com CT Russell.

Eu até tinha uma certa simpatia por Russell; achava-o um romântico deslumbrado, mas pelo menos sincero nas suas convicções. Achava que Rutherford, esse sim, é que era maléfico, maquiavélico, bruto e ruim e que tinha "roubado" uma certa ingenuidade e inocência ao movimento dos Estudantes da Bíblia. Mas, quanto mais investigo a história das Testemunhas de Jeová, mais clara fica a imagem de um Russell espertalhão, habilidoso com as palavras, sedutor, carismático, mas completamente sem escrúpulos e intelectualmente desonesto.

A doutrina não é apenas importante: A doutrina é O MAIS IMPORTANTE, porque é pela doutrina que o Corpo Governante justifica perante as Testemunhas de Jeová que tem autoridade divina para mandar na vida de mais de 8 milhões de pobres criaturas iludidas com histórias da carochinha sobre paraísos e viver para sempre. Pode ser maçudo, mas é aquilo que mais importa desmontar. Desmontando a questão doutrinal, o Corpo Governante não é mais do que um vulgar Concelho de Administração de uma empresa multinacional de conteúdos religiosos. Nada mais.

Eden


"O homem que não pensa por si próprio é um escravo, um traidor de si mesmo e dos seus companheiros". - Robert G. Ingersoll
"A religião é encarada pelas pessoas comuns como 'a verdade'; pelos sábios como falsidade; e pelos governantes como útil". - Séneca
"Se fosse possível raciocinar com pessoas religiosas, não haveria pessoas religiosas." - Gregory House
avatar
EdenOne
Membros
Membros

Mensagens : 340
Likes : 106
Data de inscrição : 25/03/2016
Idade : 45
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por HALDYS em Qua Jul 05 2017, 15:52

obrigada pela partilha Eden One. E o drama foi arrepiante. As personagens dos anciaos bem escolhidas fez me rever a minha comissão ( com a diferença que eu não era tão arrogante como a irma Orga Desgovernada)
Nao li o livro o Reino de Deus ja governa se calhar devia
avatar
HALDYS
Membros
Membros

Mensagens : 410
Likes : 51
Data de inscrição : 04/09/2014
Idade : 37
Localização : porto

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por River raid em Sab Jul 15 2017, 13:31

O EderOne conseguiu desmontar toda uma religião.
Foi e é brutal a veracidade que ele demonstrou.

Para prosseguir nessa linha aconselho o Eder a publicar no forum brasileiro.

Nós somos 50 000. O Brasil tem mais de um milhão de seguidores da seita.

Seita essa ke é considerada religião oficial porque a mãe do Socrates é tj...

River raid
Membros
Membros

Mensagens : 4555
Likes : 204
Data de inscrição : 02/09/2013
Idade : 42
Localização : Maia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: A Organização das Testemunhas de Jeová é uma mentirosa deliberada e impenitente

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum