EX-TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
Seja muito Bem-vindo!

Regista-te aqui e descobre a verdade sobre a "verdade"

Lê as regras e respeita-as

Alguma duvida a Adm/Mod está pronta a ajudar.



"Quando aceitamos tudo o que a Organização diz sem verificar, mostramos confiança na Organização. Mas, se mantivermos um espírito atento e examinarmos 'quanto a se estas coisas são realmente assim' (Atos 17:11), então, mostramos zelo para com Jeová. Para quem você mostra zelo?"

O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por EdenOne em Seg Abr 04 2016, 11:06

Enquanto lêm, sugiro que vão ouvindo o tema "Chariots of Fire", de Vangelis em fundo.



Em primeiro lugar, uma declaração de interesses: Sou da opinião que todas as religiões, em maior ou menor grau, são “cultos”.

O QUE É UM CULTO

A etimologia da palavra culto vêm do latim cultus, que significa em concreto cuidar, cultivar (cultivare) e em abstracto venerar e adorar. Na sua acepção generalista moderna, “culto” pode ser definido como “sistema de crenças e rituais religiosos dirigidos a uma figura particular ou objecto; profunda crença em poder ou poderes sobrenaturais que governam os destinos da humanidade”. O Cristianismo venera Deus e Jesus Cristo; o Islão venera Allah e o seu profeta Maomé; O judaísmo venera Yahweh; o Zoroastrianismo venera Aura Mazda; O budismo venera Buda; o Hinduísmo venera Brahma, Vishnu, Shiva e uma multidão de outras divindades.... sobre todos estes se pode dizer que são sistemas de crenças e rituais dirigidos a uma figura particular (a divindade, o seu profeta, o seu filho....) com poderes sobrenaturais que lhe permitem decidir ou condicionar o futuro da humanidade e dos humanos. Sob este ponto de vista, TODAS as religiões são cultos. Apenas, alguns cultos atingiram o estatuto mais respeitável de “religião” quando se tornaram dominantes em certas geografias. Mas, na origem, todas são cultos.

Depois há a definição derrogatória de “culto”: “Religião ou seita religiosa considerada extremista ou falsa, em que seus membros usualmente vivem de maneira pouco convencional sob a liderança de um líder carismático e autoritário”. Esta definição é problemática, por vários motivos, porque está dependente de critérios demasiado subjectivos; por exemplo, o que é uma “religião falsa”? O que é viver de maneira “pouco convencional”? Depende de quem responde a essa pergunta. Quando se fala em “culto”, tanto do ponto de vista teológico, como do ponto de vista sociológico, é preciso qualificar esse termo, a fim de evitar imprecisões e confusões.

É NECESSÁRIO QUALIFICAR UM CULTO

Do ponto de vista sociológico, um culto pode ser qualificado como “destrutivo”, se causa impacto negativo na saúde física e mental dos aderentes, nas suas finanças, e nas suas relações. Um culto pode ser classificado como de “alta exigência” ou “alto controle mental” se: os seus membros seguem uma liderança com zelo e admiração exacerbados e acríticos; se estão focados no recrutamento de novos membros; se a dúvida, o questionamento e o pensamento desviante ou dissidente são desencorajados e punidos; se todos os aspectos da vida são ditados em pormenor pela liderança, quanto a como pensar e como agir; se a liderança e os membros do grupo não se consideram obrigados a prestar contas ás autoridades seculares; se o grupo usa técnicas de supressão do pensamento crítico; se o grupo é elitista, procurando a pureza e a separação face aos demais; se a mentalidade polarizada (nós versus eles) é usada como meio de identidade de grupo; se a liderança usa a culpa como meio de controlar os aderentes; se a liderança encoraja ou obriga ao corte de relações com não-aderentes; se a liderança encoraja a socialização apenas com aderentes desse grupo; e a liderança exige um inusitado volume de tempo e disponibilidade para o aderente dedicar ás actividades do grupo.

De qualquer modo, acho que todos podemos concordar que, sob qualquer prisma, as Testemunhas de Jeová são um culto; quer do ponto de vista teológico - viola as normas das correntes mais ortodoxas, ou mainstream, do Cristianismo - como também, do ponto de vista sociológico encaixa na definição de culto destrutivo de alto controle mental.

PORQUE DECIDIMOS SAIR

Há diferentes motivos que podem accionar a vontade de um indivíduo se tornar dissidente das Testemunhas de Jeová. A Organização quer fazer crer que aqueles que se afastam por vontade própria, fazem-no invariavelmente por não conseguirem ou não quererem “viver á altura das elevadas normas de Jeová”; ou seja, nunca saem por discordarem da validade das doutrinas, e práticas, ou por se terem apercebido de corrupção e práticas escandalosas, ou por esgotamento psíquico e emocional, ou por não haver evidências que suportem a crença em deidades; não – a culpa é seguramente de algum defeito moral do dissidente, nunca da religião, e muito menos de Jeová e de Cristo, que, com certeza não terão culpa de nada.

A verdade é que quem se afastou ou cogita afastar-se das Testemunhas de Jeová por vontade própria raramente o faz por se sentir incapaz de “viver á altura das elevadas normas de Jeová” (leia-se: fazer o que o Corpo Governante ensina que se deve fazer). Na realidade, muitos de nós passámos muitos anos da nossa vida bastante confortáveis a viver á altura dessas “elevadas normas”. Muitos de nós tínhamos prazer em “gastar-nos em prol do Reino” e tínhamos orgulho em seguir padrões de moral e de conduta mais elevados - ou pelo menos assim imaginávamos - do que as demais pessoas “do mundo”.

Portanto, para todos nós, houve uma época em que gostávamos de ser Testemunhas de Jeová. Havia algo que, pese embora os desafios inerentes a se levar um estilo de vida pouco convencional face á normal social vigente, nos dava sentido á vida e grande satisfação interior. Era isso que nos mantinha interessados e envolvidos. No fundo, como muitos dizem com uma certa nostalgia, “nem tudo era mau”.

O BOM E O BONITO

Quais são (ou eram) algumas dessas coisas que achamos que foram positivas na nossa experiência como Testemunhas de Jeová?

Talvez fosse o facto de que as Testemunhas ofereciam uma explicação aparentemente plausível para as dificuldades e os sofrimentos da vida e porque é que Deus as consente, o que nos permitia olhar para o mundo á nossa volta e as coisas pareciam fazer sentido; talvez fosse a figura de Jeová nos ser apresentada como um pai amoroso que se interessava pessoalmente por nós, e com o qual nós nos podíamos relacionar, e isso nos servir de conforto; talvez fosse a incrível esperança de poder viver para sempre num paraíso na terra, livres de doenças, ansiedades e dificuldades; talvez fosse a esperança da ressurreição; talvez fosse a crença de que o Reino de Deus acabasse com a iniquidade e a violência e introduzisse um sistema de governo justo em que as nossas necessidades fossem plenamente atendidas; talvez fosse a comunidade dos crentes, semelhante a uma enorme e amorosa família, onde nos sentíamos imediatamente integrados, e onde cada um era potencialmente um amigo e um irmão; talvez fosse a sensação de termos um propósito na vida, e que o nosso trabalho árduo em prol dos interessas da Organização contribuísse directamente para a realização desse propósito; talvez fosse o sentimento interior de bem-estar que vinha da sensação de estarmos a ajudar outras pessoas a melhorar a sua vida; talves fosse a convicção sincera de que o código de conduta moral prescrito é superior a todos os demais; talvez fosse o facto de nos sentirmos integrados e em comunhão com as pessoas mais importantes da nossa vida, os nossos familiares e amigos. Ou ainda outros motivos. Todos esses motivos são bondosos, nobres e belos.

Todos os motivos acima listados são razões de peso que podem manter alguém dentro da Organização, ou motivar aqueles que foram desassociados a regressar. Então, porquê sair e abrir mão disso tudo?

PONDERAR BEM NO NOSSO COMPROMISSO COM A VERDADE

Obviamente, tem que haver motivos fortíssimos para que alguém decida, após prolongada ponderação e reflexão, abandonar as Testemunhas de Jeová. Nunca essa decisão é fácil ou tomada de ânimo leve. Alguns de nós agonizaram durante anos, muitas vezes á custa da nossa saúde física e emocional, sobre o dilema de ficar ou sair. Muitos de nós fizemos disso assunto de intensa e ferverosa oração a Jeová, pedindo ajuda e orientação sobre o que fazer. Muitos imaginámos que Jeová Deus não é culpado da Organização que leva o seu nome se ter corrompido e desviado da pureza espiritual, mas que a seu tempo isso seria corrigido, e que deveríamos esperar para ver. Portanto, não é por capricho, por fraqueza espiritual ou moral, ou por birra que alguém decide deitar a perder o investimento de uma vida, onde nos sentíamos seguros e confortáveis, e trocar isso pelo desconhecido.

Se há uma coisa que nos foi gravada a ferro na nossa cabeça, é o conceito de “verdade”. É certo que hoje em dia percebemos que, para a Organização, “A Verdade” é aquilo que em dado momento é ensinado pelo Corpo Governante, e pode mudar radicalmente em questão de poucos anos; é uma verdade fluida, em constante actualização, a chamada “verdade actual”, uma “luz que clareia mais e mais”, mas que raramente permanece igual ao longo do tempo. Mas fomos ensinados a ter um compromisso com a verdade. Valorizamos a verdade. Queremos saber a verdade. Queremos viver de acordo com a verdade. Não comprometemos a verdade. A mentira, foi-nos ensinado, é filha do Diabo.  E aí reside o cerne da questão.

O MAU E O FEIO

Quando descobrimos que muitas doutrinas são mentiras sem suporte bíblico; quando descobrimos que a organização hipocritamente ensina uma coisa e secretamente faz outra; quando descobrimos que a liberdade que nos prometeram afinal é uma prisão do pensamento; quando descobrimos que a Organização tem muitos podres e esqueletos no armário e mente descaradamente para ocultar os factos; quando descobrimos que a Organização mente a respeito da sua história; quando descobrimos que a Bíblia não é um livro divinamente inspirado, mas apenas as palavras de homens; quando descobrimos que Deus e Cristo não são aquilo que nos fizeram crer; quando descobrimos que nos mentiram deliberadamente e que aquilo que tomámos como verdade, afinal não o é ... aí vem ao de cima o nosso compromisso com a verdade. Não “A Verdade” da Organização, mas a verdade enquanto conceito abstracto. E viver “A Verdade” que afinal está construída sobre a mentira torna-se um fardo insuportável. Aí percebemos o mau e o feio que anteriormente nos recusávamos a ver.

Começamos a perceber a idolatria prestada á Organização e ao Corpo Governante; começamos a perceber que a Organização é embaraçosamente humana e que a actuação do “espírito santo” na sua direcção é uma ilusão; começamos a perceber que a Organização é, desde os seus primórdios, um empreendimento humano, semelhante a uma empresa, que visa a acumulação de riqueza com vista meramente á sua sobreviência e perpetuação; começamos a perceber que as coisas que eram tidas como verdades inquestionáveis mudam de acordo com as conveniências dos tempos; começamos a perceber que a “bênção de Jeová” sobre a obra não passa de mera propaganda; omeçamos a perceber que muitos são meramente servos da Organização e não de Deus ou de Cristo; começamos a perceber que os nossos amigos são-no apenas e só na condição de nos mantermos activos e com boa reputação dentro da congregação; começamos a perceber como muitos levam vidas duplas e conseguem safar-se com isso; começamos a perceber que há dois pesos e duas medidas e favoritismos dentro da Organização; começamos a perceber que somos peças descartáveis numa engrenagem global onde a nossa pessoa pouco ou nada vale; começamos a perceber que aquilo que tanto criticamos em outras religiões, também o fazemos; começamos a perceber que a nossa tradução da Bíblia é tendenciosa; que a Organização não hesita em mentir e colocar fora de contexto autores seculares para paracer que apoiam as suas teses; que a Organização, ao invés de “amar os inimigos e orar pelos que perseguem, fomenta o ódio visceral aos dissidentes, a quem aplica o termo emocionalmente carregado de “apóstatas”; começamos, enfim, a perceber que Jeová e Cristo nada têm a ver com esta Organização – quer seja porque não é concebivel que eles pudessem compactuar com esta miséria moral, quer seja porque agora a própria existência de Jeová e de um Cristo-Rei não mais pareçam plausíveis.

O QUE ESCOLHER?

Quando pesamos na balança o bom e o bonito, por um lado, e o mau e o feio, por outro ... o que decidimos fazer?

Por mim, o compromisso com a verdade é mais importante. Não importa o preço a pagar. “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”, disse Jesus. É um princípio muito válido. Quando aprendi a verdade a respeito da “Verdade”, foi aí que principiei a libertar-me. Dói, e é desconfortável aventurarmos-nos para o desconhecido, para fora da nossa zona de conforto. Mas, no meu caso pessoal, é preferível isso, do que viver naquilo que sei que é uma mentira.

EdenOne

EdenOne
Membros
Membros

Mensagens : 271
Likes : 87
Data de inscrição : 25/03/2016
Idade : 45
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por PenaBranca em Seg Abr 04 2016, 21:02

Obrigada! Brilhante texto!

PenaBranca
Membros
Membros

Mensagens : 169
Likes : 44
Data de inscrição : 22/05/2015
Idade : 56
Localização : Centro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por HALDYS em Seg Abr 04 2016, 21:49

mais um brilhante texto EdenOne. Eu tenho (desculpem falar muito na 1a pessoa) relações nao direi amigos ainda menos irmãos desassociados e com eles falo sobre os podres da organização. Tenho de ser muito subtil porque se não eles ficam na defensiva. Este texto vai ajudar-me bastante.

HALDYS
Membros
Membros

Mensagens : 355
Likes : 47
Data de inscrição : 04/09/2014
Idade : 37
Localização : porto

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por hocosi em Seg Abr 04 2016, 23:07

@EdenOne escreveu: PORQUE DECIDIMOS SAIR

Há diferentes motivos que podem accionar a vontade de um indivíduo se tornar dissidente das Testemunhas de Jeová. A Organização quer fazer crer que aqueles que se afastam por vontade própria, fazem-no invariavelmente por não conseguirem ou não quererem “viver á altura das elevadas normas de Jeová”; ou seja, nunca saem por discordarem da validade das doutrinas, e práticas, ou por se terem apercebido de corrupção e práticas escandalosas, ou por esgotamento psíquico e emocional, ou por não haver evidências que suportem a crença em deidades; não – a culpa é seguramente de algum defeito moral do dissidente, nunca da religião, e muito menos de Jeová e de Cristo, que, com certeza não terão culpa de nada.

A verdade é que quem se afastou ou cogita afastar-se das Testemunhas de Jeová por vontade própria raramente o faz por se sentir incapaz de “viver á altura das elevadas normas de Jeová” (leia-se: fazer o que o Corpo Governante ensina que se deve fazer). Na realidade, muitos de nós passámos muitos anos da nossa vida bastante confortáveis a viver á altura dessas “elevadas normas”. Muitos de nós tínhamos prazer em “gastar-nos em prol do Reino” e tínhamos orgulho em seguir padrões de moral e de conduta mais elevados - ou pelo menos assim imaginávamos - do que as demais pessoas “do mundo”.

Portanto, para todos nós, houve uma época em que gostávamos de ser Testemunhas de Jeová. Havia algo que, pese embora os desafios inerentes a se levar um estilo de vida pouco convencional face á normal social vigente, nos dava sentido á vida e grande satisfação interior. Era isso que nos mantinha interessados e envolvidos. No fundo, como muitos dizem com uma certa nostalgia, “nem tudo era mau”.

EdenOne

Muitos parabéns EdenOne por mais esta dissertação que expõe de forma muito clara o porquê de muitos de nós já não querermos mais voltar a fazer parte de uma organização que nos manipulou mentalmente por anos. Destaco esta parte do artigo apenas para dizer que é verdade que muitos foram desassociados por não conseguirem viver segundo as normas estabelecidas como passiveis de expulsão, mas também é verdade que o Corpo Governante e seus lacaios colocam todos no mesmo saco. Para estes, aquele que discorda, aquele que se expressa com argumentos sólidos contra os ensinos lampejantes do EFD é um apóstata merecedor da morte. Basta ver o tratamento dado aos que são desassociados e os que se dissociam. São tratados da mesma forma.



"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro. A real tragédia da vida são os adultos que têm medo da luz" . Platão

hocosi
Membros
Membros

Mensagens : 2576
Likes : 346
Data de inscrição : 28/12/2011
Idade : 61
Localização : Braga (Distrito)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por Kristy123 em Qui Abr 07 2016, 16:01

Olá EdenOne,

Gostei MUITO do teu texto e fizeste uma excelente análise.   Very Happy
Parabéns.

Kristy

Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4023
Likes : 222
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 97
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por myguel.pt em Qui Abr 07 2016, 19:38

@hocosi escreveu:
Para estes, aquele que discorda, aquele que se expressa com argumentos sólidos contra os ensinos lampejantes do EFD é um apóstata merecedor da morte.

Hocosi, não é EFD, agora chama-se EFP Morrer a rir


myguel.pt
Membros
Membros

Mensagens : 111
Likes : 15
Data de inscrição : 23/03/2016
Idade : 26
Localização : Centro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por Kristy123 em Qui Abr 07 2016, 20:37


Não é nada....

É EDP

(Eau de Parfum)


Kristy123
Moderador
Moderador

Mensagens : 4023
Likes : 222
Data de inscrição : 15/10/2013
Idade : 97
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por EdenOne em Qui Abr 07 2016, 22:43

@myguel.pt escreveu:
Hocosi, não é EFD, agora chama-se EFP Morrer a rir


O que é EFP???

Escravo Fedorento e Piroso?
Escravo Fanfarrão e Prepotente?
Escravo Fanhoso e Parasita?

Shocked

EdenOne


"O homem que não pensa por si próprio é um escravo, um traidor de si mesmo e dos seus companheiros". - Robert G. Ingersoll
"A religião é encarada pelas pessoas comuns como 'a verdade'; pelos sábios como falsidade; e pelos governantes como útil". - Séneca
"Se fosse possível raciocinar com pessoas religiosas, não haveria pessoas religiosas." - Gregory House

EdenOne
Membros
Membros

Mensagens : 271
Likes : 87
Data de inscrição : 25/03/2016
Idade : 45
Localização : Portugal

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por hocosi em Qui Abr 07 2016, 22:52

@EdenOne escreveu:
@myguel.pt escreveu:
Hocosi, não é EFD, agora chama-se EFP Morrer a rir


O que é EFP???

Escravo Fedorento e Piroso?
Escravo Finório e Prepotente?

Shocked

EdenOne
Deve ser Escravo Falso e Putrefato. tass bem



"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro. A real tragédia da vida são os adultos que têm medo da luz" . Platão

hocosi
Membros
Membros

Mensagens : 2576
Likes : 346
Data de inscrição : 28/12/2011
Idade : 61
Localização : Braga (Distrito)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por PenaBranca em Qui Abr 07 2016, 22:55

ahahah Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir Morrer a rir

PenaBranca
Membros
Membros

Mensagens : 169
Likes : 44
Data de inscrição : 22/05/2015
Idade : 56
Localização : Centro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por myguel.pt em Sex Abr 08 2016, 05:16

Ahahah todas as opções são boas opções, mas agora chamam de Escravo Fiel e Prudente.

myguel.pt
Membros
Membros

Mensagens : 111
Likes : 15
Data de inscrição : 23/03/2016
Idade : 26
Localização : Centro

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por River raid em Sex Abr 08 2016, 12:41

Escravo Prudente? Só se for para os bolsos deles, há que ter prudência nos investimentos em acções e no imobiliário.

Parabéns EderOne, o texto está muito bem conseguido, na minha modesta opinião fizeste uma análise espectacular.

Não deixa de ser triste enorme desilusão que muitos de nós tivemos. É como um desgosto de amor só que... quando é um desgosto de amor a pessoa pode substituir esse vazio apaixonando-se por outra pessoa. Neste caso da religião em si resulta muito mais complicado, o contexto abrange praticamente todos os aspectos da vida devido a essa barbaridade que se chama desassociação.

Cristo é liberdade, não é opressão.

Na minha opinião, as TJ´s num todo não sabem nazquilo que se meteram e tal como disseste aquelas que se aperceberam da aldrabice levam vida dupla ou pregam "para inglês ver".

Por aqui é sempre a mesma coisa: é vê-los dum lado para outro passeando devagar, devagarinho, ora senta aqui ou acolá, depois vai um cafezinho e lá vão eles conversando para aliviar o stress e passar o tempo porque no seu íntimo já estão fartos da mesma ladaínha.





River raid
Membros
Membros

Mensagens : 4534
Likes : 202
Data de inscrição : 02/09/2013
Idade : 41
Localização : Maia

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O BOM E O BONITO, O FEIO E O MAU - O balanço de uma vida num culto

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 05:59


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum