EX-TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
Seja muito Bem-vindo!

Regista-te aqui e descobre a verdade sobre a "verdade"

Lê as regras e respeita-as

Alguma duvida a Adm/Mod está pronta a ajudar.



"Quando aceitamos tudo o que a Organização diz sem verificar, mostramos confiança na Organização. Mas, se mantivermos um espírito atento e examinarmos 'quanto a se estas coisas são realmente assim' (Atos 17:11), então, mostramos zelo para com Jeová. Para quem você mostra zelo?"

Carta da Watchtower ao programa "Panorama" da BBC (2002)

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Carta da Watchtower ao programa "Panorama" da BBC (2002)

Mensagem por TJ Curioso em Ter Jul 23 2013, 00:13

Quando o programa da BBC, "Panorama" foi gravado em 2002, tendo como foco a pedofília nas TJ ("Suffer The Children/Sofrem as Criancinhas), foi feito um pedido de esclarecimento à Watchtower pedindo para poderem gravar a versão da liderança sobre o tema da pedofília e a alegada lista de pedófilos ou pretensos pedófilos registados na sede mundial.

O programa recebeu a seguinte carta oficial da Watchtower como resposta:

http://jwleaks.files.wordpress.com/2012/06/watchtower-letter-to-panorama-bbc-over-child-abuse-2002.pdf

Avaliem por vocês mesmos a resposta!

TJ Curioso
Forista desativado

Mensagens : 9046
Likes : 417
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Carta da Watchtower ao programa "Panorama" da BBC (2002)

Mensagem por mjp em Ter Jul 23 2013, 03:18

Tradução rápida, com a ajuda do tradutor do Google, da carta colocada acima pelo TJ Curioso

Peço desculpa por alguma imprecisão não descortinada, mas foi mesmo uma tradução rápida...e não revista


Prezada Sra. Powys:

Esta é uma resposta ao seu fax de 30 de abril de 2002, em que nos avisa que a BBC-TV está a preparar um programa sobre a forma como as Testemunhas de Jeová lidam com questões de abuso infantil. Você nos ofereceu gentilmente a oportunidade de sermos entrevistados em directo, no entanto, devemos respeitosamente declinar.

Não somos contra dar entrevistas, em geral, no entanto, é provável que entre aqueles cujas opiniões serão expressas em sua transmissão, haverá algumas pessoas que são Testemunhas de Jeová.

Em nossa opinião, não seria nem bom nem bíblico  colocar-nos no que pode vir
a ser uma posição de conflito com os nossos irmãos e irmãs cristãos em ambiente público. (1 Coríntios
6:1-8, Efésios 4:02) Nós confiamos que você vai entender a nossa posição a este respeito.

Embora impossibilitados de participar da entrevista, certamente estamos dispostos a comentar as questões que você levantou em seu fax. Fazemos notar que estas são quase exclusivamente  da natureza dos registos que mantemos sobre alegados abusadores de crianças. Você nos diz que é vital que nós respondamos a suas perguntas em nossos procedimentos de manutenção de registos, devido à "natureza muito grave das alegações feitas para o programa ", apesar de não especificar  que as alegações são. Primeiro de tudo, no entanto, permita-nos  comentar sobre a maneira que as acusações de abuso infantil são tratadas pelas Testemunhas de Jeová. Nós
percebemos que você não nos pediu para tocar sobre este aspecto, no entanto, é essencial que comentarmos para proporcionar uma adequada resposta franca.

Nos Estados Unidos, quando qualquer uma das Testemunhas de Jeová é acusada de um ato de abuso de crianças, os anciãos locais devem investigar. O procedimento é como se segue. Dois anciãos se reúnem separadamente
com o acusado e acusador para ver o que cada um diz sobre o assunto. Se o acusado nega a acusação, os dois mais velhos podem providenciar que ele tenha a oportunidade de enfrentar o acusador em sua presença. Se durante a reunião, o acusado ainda nega as acusações e não há outros que possam fundamentar, os anciãos não podem agir dentro da congregação naquela época. Por que não? Como baseada em princípios bíblicos a organização tem t de aderir ao que as Escrituras dizem, ou seja, "Uma só testemunha não deve subir contra um homem com respeito a qualquer erro ou qualquer pecado. .pela boca de duas testemunhas ou pela boca de três
testemunhas o assunto deve ficar esclarecido. "(Deuteronômio 19:15) Jesus reafirmou este princípio como registado em Mateus 18:15-17.
Quando a filial recebe uma acusação de abuso infantil, a verificação dos registos podem revelar similarmente, que não corroboradas acusações foram apresentadas contra a mesma pessoa, no passado, talvez quando ele estava vivendo em outra parte do país. Quando uma segunda alegação crível por um diferente pessoa é apresentada contra o mesmo indivíduo, os anciãos estão autorizados pelas Escrituras para lidar com o caso.

Betsan Powys
09 de maio de 2002
Page 2

No entanto, mesmo que os anciãos não possam agir congregacionalmente, espera-se que eles relatem a alegação para a sede das Testemunhas de Jeová no seu país, se as leis de privacidade locais o permitam.

Mais uma vez, se as leis de privacidade o permitirem, a gravação é feita no escritório da filial em que o indivíduo foi acusado de abuso infantil. Cada filial das Testemunhas de Jeová mantém seus próprios registos, se for permitido pela jurisdição local. Nos Estados Unidos, não temos registos de abusadores de crianças que vivem em outras terras. Se as leis de privacidade não permitem que tais registos a sejam mantidos, os anciãos fazem o que é permitido dentro da lei para fazer com que as crianças sejam protegidas. O objectivo é equilibrar o direito à privacidade individual com a necessidade imperiosa de proteger a segurança das crianças -. 1 Timóteo 5:19.

Além de fazer um relatório para a sede das Testemunhas de Jeová, os anciãos podem ser obrigados por lei a relatar ainda que não corroboradas ou alegações infundadas às autoridades. Se assim for, esperamos que os anciãos o cumpram. Além disso, a vítima pode desejar relatar o assunto para as autoridades, e é seu direito absoluto de fazê-lo. Nos Estados Unidos, os requisitos de informação variam de estado para estado. Ele pode ser um grande desafio para manter a par dos requisitos de informação, mas o nosso
Departamento Jurídico faz todos os esforços para fazê-lo.

Se, quando confrontado, o acusado confessa que ele é culpado de abuso de crianças, os anciãos tomam medidas adequadas. Se ele não está arrependido, ele não será permitido a manter a sua permanência como membro da
congregação. Mesmo se ele estiver arrependido - é disciplinado no coração, e é, portanto, resolutamente avisado a evitar tal conduta no futuro - o que foi afirmado em 1 de Janeiro de 1997, edição do The Watchtower se aplica.

O artigo dizia: "Para a protecção de nossas crianças, um homem conhecido por ter sido um abusador de crianças  não se qualifica para um cargo de responsabilidade na congregação. Além disso, ele não pode ser um pioneiro [em tempo integral missionários das Testemunhas de Jeová] ou servir em qualquer outro serviço especial de tempo integral "(1 Timóteo 3:2, 7. -10) Nós tomamos essa acção porque estamos preocupados com a manutenção de padrões bíblicos e em proteger nossos filhos. Todos na nossa organização deverão cumprir os mesmos requisitos, a saber, para serem limpos fisicamente, mentalmente, moralmente e espiritualmente - [2 Coríntios] 7:01, Efésios 4:17-19;
1 Tessalonicenses 2:04.

Em alguns casos, os indivíduos culpados de um ato de abuso infantil foram nomeados para cargos dentro da congregação se sua conduta tem sido de outra forma exemplar por décadas. Todas as circunstâncias precisam ser consideradas com cuidado. Suponhamos, por exemplo, que há muito tempo um rapaz de 16 anos teve relações sexuais com o consentimento de uma menina de 15 anos de idade. Consoante a jurisdição dos EUA onde viveu quando isso aconteceu, os anciãos são obrigados a comunicar isso como um incidente de abuso infantil. Digamos que 20 anos se passaram. As leis sobre relatórios de abuso de crianças podem ter mudado, ele pode até mesmo ter se casado com a garota! Ambos têm vivido uma vida exemplar e são respeitados. Num caso raro, o homem poderia ser nomeado para um cargo de responsabilidade dentro da congregação.

Nossos procedimentos foram aperfeiçoados ao longo do tempo. Nossa política ao longo dos últimos anos tem sido que pelo menos vinte anos devem ter-se passado antes que um indivíduo que cometeu um acto de abuso de crianças possa ser considerado para a nomeação para um cargo de responsabilidade na congregação. A Bíblia ensina que as pessoas podem se arrepender de seus pecados e "voltar-se para Deus, fazendo obras que demonstram arrependimento ", e aceitamos o que a Bíblia diz. (Atos 26:20) Ainda assim, a segurança dos nossos filhos é de extrema importância, por isso percebemos que os anciãos locais devem ser muito cuidadosos ao recomendar
indivíduos que podem ter sido culpados de um ato de abuso de crianças em um passado distante.

Tem sido dito que aqui nos Estados Unidos, nós compilamos uma lista de 23.720 nomes de abusadores de crianças. Isso é falso. Primeiro de tudo, o número total de nomes nos nossos registos é consideravelmente inferior

Powys Betsan
09 de maio de 2002
Página 3

a isso. Além disso, não é significativa para se concentrar no número de nomes que temos em nossos registos.
Isto porque nossos números incluem os nomes de muitas pessoas que só foram acusados de abuso de crianças, ao passo que essas acusações não foram comprovadas. Nós mantemos esses registos para documentar nossa conformidade com o que a lei exige em muitas jurisdições norte-americanas. Também estão incluídos na nossa lista alegações feitas na base das chamadas "memórias reprimidas," a validade das quais são postas em causa por muitas autoridades. Depois, há os nomes das pessoas que foram acusados de abusar de crianças antes de se tornarem Testemunhas de Jeová, bem como indivíduos que nunca foram baptizados como Testemunhas mas cujos nomes somos obrigados a manter por causa de sua associação com as Testemunhas. (Um exemplo disso seria um pai não-Testemunha ou padrasto que é acusado por seus filhos testemunhas ou enteados de abusar deles.) Para ser seguro, também listamos os nomes das pessoas que podem ou não ser consideradas como abusadores de crianças, dependendo da jurisdição onde eles vivem (por exemplo, um rapaz de 16 aos que teve relações sexuais com o consentimento de menina de 15 anos de idade). O nome de um indivíduo que era culpado de voyeurismo ou envolvido com pornografia infantil, como outros exemplos, também seria incluído na lista. E, com certeza, a lista também inclui nomes de pessoas que são realmente culpadas de abuso infantil. Não temos de pedir desculpas por mantermos esses registos aqui nos Estados Unidos. Além de ser legalmente necessário, eles têm sido muito útil para nós em nossos esforços para proteger o rebanho do mal. (Isaías 32:2) Christian pode justamente se sentir seguro no conhecimento de que tais esforços são feitos para filtrar possíveis abusadores de crianças a partir da nomeação para cargos de responsabilidade dentro da congregação.

Ms. Powys, por favor, não concluía que acreditamos que o nosso sistema é perfeito. Nenhuma organização humana é perfeita. Mas nós acreditamos que temos uma política forte, baseada na Bíblia sobre abuso infantil.

Qualquer pessoa numa posição de responsabilidade que é culpado de abuso de criança seria removido de suas responsabilidades sem hesitação. Nós certamente não o transferiríamos conscientemente para servir noutro lugar.

O abuso de crianças é abominável para nós. Mesmo uma criança abusada é demais. Pelo menos desde 1981, as nossas revistas, A Sentinela e Despertai !, têm caracterizado artigos para educar tanto as Testemunhas e o público sobre a importância e necessidade de proteger as crianças do abuso infantil. Entre outras coisas, verificou-se a artigo "Abominemos O que é mau!", publicado em 1 de Janeiro de 1997, de A Sentinela; "Ajuda para as vítimas de incesto", em 1 de outubro de 1983, a Torre de Vigia: "Seu filho está em perigo!"
"Como podemos proteger nossas crianças?" E "Prevenção na Casa," tudo em 8 de outubro de 1993 Despertai!, Bem como "abuso de crianças, cada pesadelo da Mãe", em 22 de Janeiro de 1985, a revista Despertai!

Ao longo dos anos, onde verificamos áreas onde as nossas políticas podem ser reforçadas, temo-lo feito completamente. Continuamos a refiná-los.

Nós confiamos que você vai encontrar as informações contidas nesta carta como sendo úteis. Como você pode notar, temos vindo a responder às grandes questões que você levanta em vez de fornecer respostas específicas à sua lista detalhada de perguntas. Notamos que você enviou uma lista similar de perguntas para os nossos escritórios em Londres. Entendemos que eles estão respondendo suas perguntas de acordo com os seus procedimentos e aderência a lei britânica.

Com toda a boa vontade,
Atenciosamente,


Última edição por TJ Curioso em Ter Jul 23 2013, 10:21, editado 1 vez(es) (Razão : Criação de parágrafos para facilitar a leitura.)
avatar
mjp
Forista desativado

Mensagens : 6491
Likes : 223
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 57
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Carta da Watchtower ao programa "Panorama" da BBC (2002)

Mensagem por so em Ter Jul 23 2013, 17:19

À coisas que não me entram na cabeça.  Pedir duas testemunhas num caso de violação isso é quase impossível. Juntar numa sala a vitima de violação e o violador, são malucos. As autoridades não o fazem em defesa da vitima.


Conhecereis a internet e a internet vos libertará.
avatar
so
Sócio APVIPRE
Sócio APVIPRE

Mensagens : 1971
Likes : 58
Data de inscrição : 01/03/2012
Localização : Norte

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Carta da Watchtower ao programa "Panorama" da BBC (2002)

Mensagem por Ana Cláudia em Ter Jul 23 2013, 18:38

Vi esta reportagem na Sic Noticias na altura em que fui desassociada. Foi um choque enorme.

Esta resposta é uma anedota.

Ana Cláudia
Forista desativado

Mensagens : 3331
Likes : 140
Data de inscrição : 16/05/2012
Idade : 35

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Carta da Watchtower ao programa "Panorama" da BBC (2002)

Mensagem por TJ Curioso em Qui Fev 26 2015, 19:57

Para relembrar...

TJ Curioso
Forista desativado

Mensagens : 9046
Likes : 417
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Carta da Watchtower ao programa "Panorama" da BBC (2002)

Mensagem por Gerom em Sex Fev 27 2015, 20:28

@mjp escreveu:Tradução rápida, com a ajuda do tradutor do Google, da carta colocada acima pelo TJ Curioso

Peço desculpa por alguma imprecisão não descortinada, mas foi mesmo uma tradução rápida...e não revista


Prezada Sra. Powys:

Esta é uma resposta ao seu fax de 30 de abril de 2002, em que nos avisa que a BBC-TV está a preparar um programa sobre a forma como as Testemunhas de Jeová lidam com questões de abuso infantil. Você nos ofereceu gentilmente a oportunidade de sermos entrevistados em directo, no entanto, devemos respeitosamente declinar.

Não somos contra dar entrevistas, em geral, no entanto, é provável que entre aqueles cujas opiniões serão expressas em sua transmissão, haverá algumas pessoas que são Testemunhas de Jeová.

Em nossa opinião, não seria nem bom nem bíblico  colocar-nos no que pode vir
a ser uma posição de conflito com os nossos irmãos e irmãs cristãos em ambiente público. (1 Coríntios 6:1-8, Efésios 4:02) Nós confiamos que você vai entender a nossa posição a este respeito.

Embora impossibilitados de participar da entrevista, certamente estamos dispostos a comentar as questões que você levantou em seu fax. Fazemos notar que estas são quase exclusivamente  da natureza dos registos que mantemos sobre alegados abusadores de crianças. Você nos diz que é vital que nós respondamos a suas perguntas em nossos procedimentos de manutenção de registos, devido à "natureza muito grave das alegações feitas para o programa ", apesar de não especificar  que as alegações são. Primeiro de tudo, no entanto, permita-nos  comentar sobre a maneira que as acusações de abuso infantil são tratadas pelas Testemunhas de Jeová. Nós percebemos que você não nos pediu para tocar sobre este aspecto, no entanto, é essencial que comentarmos para proporcionar uma adequada resposta franca.

Nos Estados Unidos, quando qualquer uma das Testemunhas de Jeová é acusada de um ato de abuso de crianças, os anciãos locais devem investigar. O procedimento é como se segue. Dois anciãos se reúnem separadamente com o acusado e acusador para ver o que cada um diz sobre o assunto. Se o acusado nega a acusação, os dois mais velhos podem providenciar que ele tenha a oportunidade de enfrentar o acusador em sua presença. Se durante a reunião, o acusado ainda nega as acusações e não há outros que possam fundamentar, os anciãos não podem agir dentro da congregação naquela época. Por que não? Como baseada em princípios bíblicos a organização tem t de aderir ao que as Escrituras dizem, ou seja, "Uma só testemunha não deve subir contra um homem com respeito a qualquer erro ou qualquer pecado. .pela boca de duas testemunhas ou pela boca de três testemunhas o assunto deve ficar esclarecido. "(Deuteronômio 19:15) Jesus reafirmou este princípio como registado em Mateus 18:15-17.

Quando a filial recebe uma acusação de abuso infantil, a verificação dos registos podem revelar similarmente, que não corroboradas acusações foram apresentadas contra a mesma pessoa, no passado, talvez quando ele estava vivendo em outra parte do país. Quando uma segunda alegação crível por um diferente pessoa é apresentada contra o mesmo indivíduo, os anciãos estão autorizados pelas Escrituras para lidar com o caso.

No entanto, mesmo que os anciãos não possam agir congregacionalmente, espera-se que eles relatem a alegação para a sede das Testemunhas de Jeová no seu país, se as leis de privacidade locais o permitam.

Mais uma vez, se as leis de privacidade o permitirem, a gravação é feita no escritório da filial em que o indivíduo foi acusado de abuso infantil. Cada filial das Testemunhas de Jeová mantém seus próprios registos, se for permitido pela jurisdição local. Nos Estados Unidos, não temos registos de abusadores de crianças que vivem em outras terras. Se as leis de privacidade não permitem que tais registos a sejam mantidos, os anciãos fazem o que é permitido dentro da lei para fazer com que as crianças sejam protegidas. O objectivo é equilibrar o direito à privacidade individual com a necessidade imperiosa de proteger a segurança das crianças -. 1 Timóteo 5:19.

Além de fazer um relatório para a sede das Testemunhas de Jeová, os anciãos podem ser obrigados por lei a relatar ainda que não corroboradas ou alegações infundadas às autoridades. Se assim for, esperamos que os anciãos o cumpram. Além disso, a vítima pode desejar relatar o assunto para as autoridades, e é seu direito absoluto de fazê-lo. Nos Estados Unidos, os requisitos de informação variam de estado para estado. Ele pode ser um grande desafio para manter a par dos requisitos de informação, mas o nosso Departamento Jurídico faz todos os esforços para fazê-lo.

Se, quando confrontado, o acusado confessa que ele é culpado de abuso de crianças, os anciãos tomam medidas adequadas. Se ele não está arrependido, ele não será permitido a manter a sua permanência como membro da congregação. Mesmo se ele estiver arrependido - é disciplinado no coração, e é, portanto, resolutamente avisado a evitar tal conduta no futuro - o que foi afirmado em 1 de Janeiro de 1997, edição do The Watchtower se aplica.

O artigo dizia: "Para a protecção de nossas crianças, um homem conhecido por ter sido um abusador de crianças  não se qualifica para um cargo de responsabilidade na congregação. Além disso, ele não pode ser um pioneiro [em tempo integral missionários das Testemunhas de Jeová] ou servir em qualquer outro serviço especial de tempo integral "(1 Timóteo 3:2, 7. -10) Nós tomamos essa acção porque estamos preocupados com a manutenção de padrões bíblicos e em proteger nossos filhos. Todos na nossa organização deverão cumprir os mesmos requisitos, a saber, para serem limpos fisicamente, mentalmente, moralmente e espiritualmente - [2 Coríntios] 7:01, Efésios 4:17-19; 1 Tessalonicenses 2:04.

Em alguns casos, os indivíduos culpados de um ato de abuso infantil foram nomeados para cargos dentro da congregação se sua conduta tem sido de outra forma exemplar por décadas. Todas as circunstâncias precisam ser consideradas com cuidado. Suponhamos, por exemplo, que há muito tempo um rapaz de 16 anos teve relações sexuais com o consentimento de uma menina de 15 anos de idade. Consoante a jurisdição dos EUA onde viveu quando isso aconteceu, os anciãos são obrigados a comunicar isso como um incidente de abuso infantil. Digamos que 20 anos se passaram. As leis sobre relatórios de abuso de crianças podem ter mudado, ele pode até mesmo ter se casado com a garota! Ambos têm vivido uma vida exemplar e são respeitados. Num caso raro, o homem poderia ser nomeado para um cargo de responsabilidade dentro da congregação.

Nossos procedimentos foram aperfeiçoados ao longo do tempo. Nossa política ao longo dos últimos anos tem sido que pelo menos vinte anos devem ter-se passado antes que um indivíduo que cometeu um acto de abuso de crianças possa ser considerado para a nomeação para um cargo de responsabilidade na congregação. A Bíblia ensina que as pessoas podem se arrepender de seus pecados e "voltar-se para Deus, fazendo obras que demonstram arrependimento ", e aceitamos o que a Bíblia diz. (Atos 26:20) Ainda assim, a segurança dos nossos filhos é de extrema importância, por isso percebemos que os anciãos locais devem ser muito cuidadosos ao recomendar indivíduos que podem ter sido culpados de um ato de abuso de crianças em um passado distante.

Tem sido dito que aqui nos Estados Unidos, nós compilamos uma lista de 23.720 nomes de abusadores de crianças. Isso é falso. Primeiro de tudo, o número total de nomes nos nossos registos é consideravelmente inferior a isso. Além disso, não é significativa para se concentrar no número de nomes que temos em nossos registos.
Isto porque nossos números incluem os nomes de muitas pessoas que só foram acusados de abuso de crianças, ao passo que essas acusações não foram comprovadas. Nós mantemos esses registos para documentar nossa conformidade com o que a lei exige em muitas jurisdições norte-americanas. Também estão incluídos na nossa lista alegações feitas na base das chamadas "memórias reprimidas," a validade das quais são postas em causa por muitas autoridades. Depois, há os nomes das pessoas que foram acusados de abusar de crianças antes de se tornarem Testemunhas de Jeová, bem como indivíduos que nunca foram baptizados como Testemunhas mas cujos nomes somos obrigados a manter por causa de sua associação com as Testemunhas. (Um exemplo disso seria um pai não-Testemunha ou padrasto que é acusado por seus filhos testemunhas ou enteados de abusar deles.) Para ser seguro, também listamos os nomes das pessoas que podem ou não ser consideradas como abusadores de crianças, dependendo da jurisdição onde eles vivem (por exemplo, um rapaz de 16 aos que teve relações sexuais com o consentimento de menina de 15 anos de idade). O nome de um indivíduo que era culpado de voyeurismo ou envolvido com pornografia infantil, como outros exemplos, também seria incluído na lista. E, com certeza, a lista também inclui nomes de pessoas que são realmente culpadas de abuso infantil. Não temos de pedir desculpas por mantermos esses registos aqui nos Estados Unidos. Além de ser legalmente necessário, eles têm sido muito útil para nós em nossos esforços para proteger o rebanho do mal. (Isaías 32:2) Christian pode justamente se sentir seguro no conhecimento de que tais esforços são feitos para filtrar possíveis abusadores de crianças a partir da nomeação para cargos de responsabilidade dentro da congregação.

Ms. Powys, por favor, não concluía que acreditamos que o nosso sistema é perfeito. Nenhuma organização humana é perfeita. Mas nós acreditamos que temos uma política forte, baseada na Bíblia sobre abuso infantil.

Qualquer pessoa numa posição de responsabilidade que é culpado de abuso de criança seria removido de suas responsabilidades sem hesitação. Nós certamente não o transferiríamos conscientemente para servir noutro lugar.

O abuso de crianças é abominável para nós. Mesmo uma criança abusada é demais. Pelo menos desde 1981, as nossas revistas, A Sentinela e Despertai !, têm caracterizado artigos para educar tanto as Testemunhas e o público sobre a importância e necessidade de proteger as crianças do abuso infantil. Entre outras coisas, verificou-se a artigo "Abominemos O que é mau!", publicado em 1 de Janeiro de 1997, de A Sentinela; "Ajuda para as vítimas de incesto", em 1 de outubro de 1983, a Torre de Vigia: "Seu filho está em perigo!"

"Como podemos proteger nossas crianças?" E "Prevenção na Casa," tudo em 8 de outubro de 1993 Despertai!, Bem como "abuso de crianças, cada pesadelo da Mãe", em 22 de Janeiro de 1985, a revista Despertai!

Ao longo dos anos, onde verificamos áreas onde as nossas políticas podem ser reforçadas, temo-lo feito completamente. Continuamos a refiná-los.

Nós confiamos que você vai encontrar as informações contidas nesta carta como sendo úteis. Como você pode notar, temos vindo a responder às grandes questões que você levanta em vez de fornecer respostas específicas à sua lista detalhada de perguntas. Notamos que você enviou uma lista similar de perguntas para os nossos escritórios em Londres. Entendemos que eles estão respondendo suas perguntas de acordo com os seus procedimentos e aderência a lei britânica.

Com toda a boa vontade,
Atenciosamente,
Lendo essa carta, nos dá a aparecer que o CG vive na 'ilha da fantasia' de tão boçal e pueril que escrevem sobre abuso infantil por membros TJs.

Será que eles pensam que todo mundo é idiota?

Eles devem pensar que os membros das congregações são uns idiotas, tapados, ignóbeis, e daí pensam que o restante da humanidade também o é.

O respota estúpida, burra mesmo, que a BBC deveria passar um corretivo naquele bando, naquela quadrilha de falsários do CG.

Essa quadrilha é mesmo um bando de cegos guiando cegos!

Eu penso que eles não deram uma entrevista para não expor suas caras de pau e de vergonha... e claro, de medo das TJs que iriam assistir a linda entrevista idiota.


"Se não está explicitamente indicado, está implicitamente excluído"
avatar
Gerom

Mensagens : 40
Likes : 2
Data de inscrição : 21/11/2014
Idade : 17
Localização : Brasil, SC

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Carta da Watchtower ao programa "Panorama" da BBC (2002)

Mensagem por Perepetchenov em Sab Fev 28 2015, 00:00

Ridículo. Pagava para estar em frente do receptor no momento em que leu a carta. Laughing

Já nem vou pela regra das duas testemunhas, que está completamente desajustada face à gravidade do crime em questão, mas argumento mais nojento de todos é mesmo quando dizem que em caso de culpa a pessoa perde privilégios congregacionais, como se isso fosse suficiente para resolver tais situações. Depois ainda dão um exemplo parvo de uma relação entre menores, mas consentida, que sinceramente nem percebo o que é que tem a ver com o assunto em causa.
avatar
Perepetchenov
Membros
Membros

Mensagens : 61
Likes : 12
Data de inscrição : 13/08/2014
Idade : 21
Localização : Camarate

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Carta da Watchtower ao programa "Panorama" da BBC (2002)

Mensagem por TJ Curioso em Sab Fev 28 2015, 10:46

Além de fazer um relatório para a sede das Testemunhas de Jeová, os anciãos podem ser obrigados por lei a relatar ainda que não corroboradas ou alegações infundadas às autoridades. Se assim for, esperamos que os anciãos o cumpram. Além disso, a vítima pode desejar relatar o assunto para as autoridades, e é seu direito absoluto de fazê-lo. Nos Estados Unidos, os requisitos de informação variam de estado para estado. Ele pode ser um grande desafio para manter a par dos requisitos de informação, mas o nosso Departamento Jurídico faz todos os esforços para fazê-lo.

Esta declaração provou-se falsa vezes sem conta, pois por exemplo, mesmo nos E.UA. onde existem estados que obrigam a relatar às autoridades casos de abuso sexual, ainda assim tais casos foram ocultados. Isto é grave, mesmo que essa pessoa tenha sido expulsa, porque ela fica livre na sociedade para continuar a abusar de outras crianças.

TJ Curioso
Forista desativado

Mensagens : 9046
Likes : 417
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 43

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Carta da Watchtower ao programa "Panorama" da BBC (2002)

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum