EX-TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
Seja muito Bem-vindo!

Regista-te aqui e descobre a verdade sobre a "verdade"

Lê as regras e respeita-as

Alguma duvida a Adm/Mod está pronta a ajudar.



"Quando aceitamos tudo o que a Organização diz sem verificar, mostramos confiança na Organização. Mas, se mantivermos um espírito atento e examinarmos 'quanto a se estas coisas são realmente assim' (Atos 17:11), então, mostramos zelo para com Jeová. Para quem você mostra zelo?"

Recordar é VIVER - Tem apreço pelo “escravo fiel e discreto”?

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Recordar é VIVER - Tem apreço pelo “escravo fiel e discreto”?

Mensagem por Investigando a Torre em Sex Abr 19 2013, 12:54

Teve lugar em enterro muito particular no dia 6 de Outubro de 2012 no Teatro Stanley, protagonizado pelo Corpo Desgovernado TJ relativamente a uma das suas principais doutrinas ensinada como "A VERDADE" desde 1927. Quer dizer, durante mais de 80 anos todos tiveram que engolir essa doutrina como grande revelação divina sob risco de ser excomungado, até que foi declarada FALSA no ano passado.

Para que não se esqueçam jamais desta FALSA doutrina e não voltem a cair, naquelas que ainda em vigor, aqui fica em jeito de "Recordar é Viver!".

------------------------------------------------------

Tem apreço pelo “escravo fiel e discreto”?
“QUEM é realmente o escravo fiel e discreto?” Com esta pergunta, Jesus Cristo introduziu uma parábola ou ilustração de importância profética. Ela faz parte do “sinal” apresentado por ele sobre a “terminação do sistema de coisas”, em que vivemos agora. (Mat. 24:3) Depois de instruir seus discípulos para que se mantivessem vigilantes, Jesus disse:
“Quem é realmente o escravo fiel e discreto a quem o seu amo designou sobre os seus domésticos, para dar-lhes o seu alimento no tempo apropriado? Feliz aquele escravo, se o seu amo, ao chegar, o achar fazendo assim. Deveras, eu vos digo: Ele o designará sobre todos os seus bens.” — Mat. 24:42-47.
Quem é este “escravo” e quem são os “domésticos”? Quais são os “bens”? Tais perguntas não são apenas de interesse teórico. A identificação correta e a cooperação com o “escravo fiel e discreto” significará grande felicidade e grandes recompensas espirituais.

“QUEM É REALMENTE O ESCRAVO FIEL E DISCRETO?”
Alguns dizem que o “escravo” se refere a ministros cristãos ou a seu cargo de supervisão, com a responsabilidade de cuidar das necessidades espirituais da congregação. Diz-se que a chegada do ‘amo’ se refere à segunda vinda de Cristo ou então à morte do ministro individual. Assim se afirma que a parábola devia motivar os ministros cristãos a cuidarem bem do que lhes foi confiado.
As Testemunhas de Jeová crêem que esta parábola se refere à única congregação verdadeira dos seguidores ungidos de Jesus Cristo. A partir de Pentecostes de 33 E.C. e continuando durante os 19 séculos desde então, esta congregação semelhante a um escravo tem alimentado espiritualmente os seus membros, fazendo isso com fidelidade e discrição. A identidade deste “escravo” tornou-se clara especialmente por ocasião do retorno ou da presença de Cristo. O “escravo” é identificável pela sua vigilância e pelo fato de que provê fiel e discretamente alimento espiritual conforme é necessitado por todos na congregação cristã. De fato, este “escravo”, ou a congregação ungida com o espírito, é o instrumento aprovado que representa o reino de Deus na terra no “tempo do fim”. (Dan. 12:4) As Testemunhas de Jeová entendem que o “escravo” é composto por todos os cristãos ungidos como grupo na terra em qualquer tempo determinado durante os 19 séculos desde Pentecostes. Por conseguinte, os “domésticos” são esses seguidores de Cristo como indivíduos.
Alguns leitores talvez achem que este é um conceito bastante sectário sobre o assunto. Ou talvez objetem à idéia de que o “escravo” e os “domésticos” representem a mesma classe, um sendo um corpo composto e os outros sendo as pessoas individuais. Os que objetam talvez argumentem que nem todos os discípulos ungidos de Cristo participam na preparação do alimento espiritual, de modo que o “escravo” talvez represente apenas os que se destacam nisso, e os “domésticos” talvez sejam os que eles servem na congregação.
De nada vale tentar forçar uma interpretação da parábola. Enganar a si mesmo não é de nenhum proveito e é espiritualmente prejudicial. Portanto, temos de recorrer às Escrituras para obter entendimento. Fazendo isso, o que encontramos? Que este “escravo” é servo do Amo Cristo Jesus e de seu Pai, Jeová. (Veja Mateus 10:24, 25.) E um servo pode ser um grupo coletivo. No passado, a inteira nação de Israel era o servo ou escravo de Jeová. Ele lhe disse: “Tu, ó Israel, és meu servo.” (Isa. 41:8, 9; 44:21) Este único servo compunha-se de pessoas individuais, conforme mostra Isaías 43:10 ao declarar: “‘Vós sois as minhas testemunhas [plural]’, é a pronunciação de Jeová, ‘sim, meu servo [singular] a quem escolhi, para que saibais e tenhais fé em mim’.” Estes israelitas da antiguidade eram a “propriedade especial” de Jeová, uma “nação santa”. (Êxo. 19:5, 6) Embora nem cada pessoa participasse na administração dos assuntos da nação, todas as pessoas constituíam um só povo, o “servo” de Deus. Apenas uns poucos participavam em escrever e em copiar as Escrituras Sagradas, mas o apóstolo Paulo podia dizer do povo de Israel: “Foram incumbidos das proclamações sagradas de Deus.” (Rom. 3:1, 2) A eles pertenciam os pactos, a Lei e as promessas. (Rom. 9:3-5) De modo que a nação inteira era “servo” coletivo ou composto de Jeová, ao passo que, ao mesmo tempo, se compunha de pessoas individuais, suas “testemunhas”.
Quando Jesus esteve na terra, ele disse aos líderes religiosos de Israel: “O reino de Deus vos será tirado e será dado a uma nação que produza os seus frutos.” (Mat. 21:43) Esta “nação” que produz os frutos do Reino tem de ser a ampla e verdadeira congregação cristã, a respeito da qual Pedro escreveu: “Vós sois . . . ‘nação santa, povo para propriedade especial, para que divulgueis as excelências’ daquele [Deus] que vos chamou da escuridão para a sua maravilhosa luz. Porque vós, outrora, não éreis povo, mas agora sois povo de Deus.” (1 Ped. 2:9, 10) Essa congregação é também chamada de “Israel de Deus” e “família de Deus”. (Gál. 6:16; 1 Tim. 3:15) As pessoas individuais da congregação são chamadas de “membros da família de Deus”. (Efé. 2:19) Ser “mordomo fiel” em tal família de membros envolve prover verdades espirituais, que constituem “alimento” adequado para os crentes (1 Cor. 3:2-5; 4:1, 2) É digno de nota que o “escravo fiel e discreto” é chamado de “mordomo” em Lucas 12:42-48.
Enquanto os apóstolos fiéis de Jesus ainda estavam vivos na terra, eles tinham a responsabilidade especial de prover ensino espiritual à “família de Deus” Os ‘pastores’ designados do “rebanho”, bem como outros, também tinham responsabilidade similar. Todavia, o apóstolo Pedro mostrou que ser assim mordomo das verdades divinas fora realmente confiado a todos os ‘escolhidos’. Portanto, cada membro respectivo da congregação contribuía algo para a edificação do corpo. (Efé. 4:11-16; 1 Ped. 1:1, 2; 4:10, 11; 5:1-3) Vemos assim que há uma clara base bíblica para se dizer que todos os seguidores ungidos de Cristo Jesus constituem o “servo” de Deus, tendo a Jesus por seu Amo. Por conseguinte, este servo ou “escravo”, como corpo coletivo, fornece alimento espiritual a todas as pessoas individuais dessa congregação, que constituem a família de “domésticos”. Eles são individualmente beneficiados com tal alimento. — 1 Cor. 12:12, 19-27; Heb. 3:5, 6; 5:11-14.
O ‘ESCRAVO FIEL’ DESAPARECE DA VISÃO NÍTIDA
Esta clara identificação da classe do “escravo fiel e discreto” não havia de continuar durante os séculos até a volta do Amo com seu poder régio. Os apóstolos advertiram que haveria uma grande apostasia após a sua morte e que esta continuaria até a presença de Cristo. (2 Tes. 2:1-12; Atos 20:29, 30; 1 João 2:18, 22; 4:2, 3) Jesus indicou isso também na sua parábola do ‘trigo e do joio’. De acordo com esta ilustração, plantou-se semente excelente, trigo, no campo do mundo. O “trigo” são “os filhos do reino” ou os verdadeiros discípulos ungidos de Jesus Cristo. Todavia, um “inimigo” (o Diabo) foi representado como semeando “joio” (“os filhos do iníquo” ou os falsos cristãos) no meio do “trigo”, e ambos deviam crescer juntos até a “colheita”. — Mat. 13:24-30, 36-43.
A apostasia surgiu com a introdução de filosofias pagãs e doutrinas falsas. A congregação apóstata tornou-se cada vez mais parte deste mundo, adotando seus ensinos, seus costumes e suas atitudes. Jesus predisse que tanto o “trigo” como o “joio” cresceriam juntos até a “colheita” ou “terminação do sistema de coisas”, quando o “trigo” (os verdadeiros cristãos) seria separado do “joio” (os cristãos falsos) e deixaria brilhar sua luz espiritual. (Mat. 13:30, 39-43) De modo que a identidade da classe do “escravo fiel e discreto” só se esclareceria no tempo da volta de Cristo Jesus.
Nesse tempo, os discípulos fiéis de Jesus se tornariam claramente distinguíveis. Sua condição espiritual bem nutrida se harmonizaria com a profecia de Daniel, que predisse que, no “tempo do fim”, os perspicazes brilhariam assim como as estrelas, usufruiriam crescente conhecimento e entendimento bíblicos, e levariam muitos a justiça. (Dan. 12:3, 4, 9, 10) Isto indica que a congregação dos discípulos ungidos de Cristo, os que têm perspicácia, estaria atenta à volta do Amo e seria encontrada provendo fielmente o alimento espiritual no tempo apropriado da volta dele. — Mat. 24:43-46.

IDENTIFICAÇÃO DO “ESCRAVO FIEL” PELA SUA ATIVIDADE
Embora o “joio” dominasse o cenário religioso do mundo durante séculos, um pouco do “trigo” estava ativo, e providenciava-se alimento espiritual para os “domésticos”. No começo da década de 1870 existia um grupo de sinceros estudantes da Bíblia suficientemente alimentados em sentido espiritual para estar na expectativa da volta do Senhor e para dar-se conta da necessidade dum estudo cabal das Escrituras, a fim de estarem preparados. Sua pesquisa não-sectária da Bíblia produziu uma abundância de conhecimento.
Durante aqueles anos, as igrejas da cristandade estavam presas a tradições, dogmas e cerimônias derivados da grande apostasia. Apegavam-se a doutrinas falsas tais como a Trindade, a imortalidade da alma e o inferno de fogo. Faziam também parte deste mundo. O cepticismo quanto à Bíblia infiltrava-se nos seus seminários teológicos. A teoria da evolução, de Darwin, foi lançada contra o relato bíblico da criação, a psicologia aplicada rejeitava o ensino do pecado inerente e da necessidade dum resgate, e todo o campo do alto criticismo atacava a autoria divina e a infalibilidade das Escrituras.
No meio de tudo isso, os Estudantes da Bíblia (como as Testemunhas de Jeová então eram chamadas) destacavam-se como fortes defensores do ensino bíblico. Afirmavam biblicamente que há apenas um Deus e Criador Todo-poderoso, Jeová, e que Cristo Jesus é seu Filho unigênito e sua primeira criação, sendo enviado por Deus para a terra, a fim de oferecer sua vida como resgate pela humanidade pecadora. Empreenderam a luta em defesa da Bíblia inteira como Palavra infalível e inspirada de Deus, e publicaram o resultado de seu estudo bíblico como “alimento no tempo apropriado”, transmitindo assim esta informação vital a todos os desejosos de estarem preparados para a volta do Senhor. Os Estudantes da Bíblia divulgavam o verdadeiro ensino cristão de que a alma humana é mortal e que a esperança dos mortos é a ressurreição. Destacavam que o objetivo do resgate de Cristo não somente é preparar o caminho para os 144.000 serem remidos da terra, a fim de serem co-herdeiros com Cristo nos céus, mas também para darem aos demais dos descendentes de Adão a oportunidade de ganhar a vida eterna na terra, durante o Reinado messiânico de 1.000 anos. Proclamavam também ao mundo que o fim dos “tempos designados das nações” viria em 1914. (Luc. 21:24) Este restabelecimento das verdades bíblicas que fortalecia a fé e as exortações à vigilância quanto à presença de Cristo Jesus resultaram no ajuntamento e na edificação duma congregação de discípulos ungidos de Cristo, que davam evidência de estarem espiritualmente bem alimentados.

ESMAGADORAS CREDENCIAIS
O “escravo fiel e discreto” possui abundantes credenciais. Segue uma lista parcial das designações bíblicas e proféticas que se aplicam ao restante dos seguidores ungidos de Jesus ou são representadas neles desde o notável ano de 1919:
(1) A esposa de Noé, Gên. 7:7; (2) os anjos enviados a Ló, Gên. 19:15; (3) Rebeca, Gên. 24:64; (4) José e Benjamim, Gên. 45:14; (5) a respiga deixada para trás, Lev. 19:9; (6) os dois espias que chegaram a Raabe, Jos. 2:4; (7) Baraque, Juí. 4:14; "8" Jefté, Juí. 11:34; (9) Noemi e Rute, Rute 2:2; (10) os guerreiros israelitas de Davi, 2 Sam. 18:1; (11) Jeú, 2 Reis 10:11, 15; (12) Mordecai e Ester, Ester 4:13; (13) Jó, Jó 42:10, 13; (14) a filha do Rei, Sal. 45:13; (15) homens de benevolência, Sal. 50:5; (16) grupo íntimo, Sal. 89:7; (17) Sear-Jasube, Isa. 7:3; (18) luz das nações, Isa. 60:3; (19) grandes árvores de justiça, Isa. 61:3; (20) ministros de nosso Deus, Isa. 61:6; (21) cacho preservado, Isa. 65:8; (22) servos chamados por outro nome, Isa. 65:15; (23) homens que tremem da palavra de Deus, Isa. 66:5; (24) nova nação nascida, Isa. 66:8; (25) Jeremias, Jer. 1:10; (26) povo de Jeová no novo pacto, Jer. 31:33; (27) vigia perseverante, Eze. 3:16-27; (28) homem vestido de linho, Eze. 9:2; (29) povo purificado, Eze. 36:29-32; (30) moradores no meio da terra, Eze. 38:12; (31) o exército do céu, Dan. 8:10; (32) santuário restaurado (purificado), Dan. 8:14; (33) os que são sábios, Dan. 11:33; (34) aquele que se mantém na expectativa, Dan. 12:12; (35) toda a carne que recebe espírito, Joel 2:28; (36) Jonas, Jon. 3:1-3; (37) menina do olho de Jeová, Zac. 2:8; (38) restante liberto, Zac. 2:7; (39) um judeu, Zac. 8:23; (40) filhos de Levi, Mal. 3:3; (41) trigo, Mat. 13:25; (42) filhos do reino, Mat. 13:38; (43) trabalhadores no vinhedo, Mat. 20:1; (44) os convidados à festa de casamento, Mat. 22:3-14; (45) os escolhidos, Mat. 24:22; (46) águias, Mat. 24:28; (47) escravo fiel e discreto, Mat. 24:45; (48) virgens discretas, Mat. 25:2; (49) irmãos do rei, Mat. 25:40; (50) pequeno rebanho de ovelhas, Luc. 12:32; (51) o mendigo Lázaro, Luc. 16:20; (52) ovelhas ‘neste aprisco’, João 10:1-16; (53) ramos da videira, João 15:4; (54) palácio real de Davi, Atos 15:16; (55) herdeiros com Cristo, Rom. 8:17; (56) o restante, Rom. 11:5; (57) ramos da oliveira, Rom. 11:24; (58) os santos, 1 Cor. 6:2; Rev. 16:6; (59) templo, 1 Cor. 6:19; (60) nova criação, 2 Cor. 5:17; (61) embaixadores de Cristo, 2 Cor. 5:20; (62) congregação de Deus, Gál. 1:13; (63) parte do descendente de Abraão, Gál. 3:29; (64) Israel de Deus, Gál. 6:16; (65) corpo de Cristo, Efé. 1:22, 23; (66) soldados de Cristo Jesus, 2 Tim. 2:3; (67) casa sob Cristo, Heb. 3:6; (68) sacerdócio santo, 1 Ped. 2:5; (69) nação santa, 1 Ped. 2:9; (70) associação de irmãos, 1 Ped. 2:17; (71) sete congregações, Rev. 1:20; (72) vinte e quatro pessoas de idade avançada, Rev. 4:4; (73) Israel espiritual, Rev. 7:4; (74) gafanhotos, Rev. 9:3; (75) duas testemunhas, Rev. 11:3; (76) duas oliveiras, Rev. 11:4; (77) semente da mulher, Rev. 12:17; (78) Nova Jerusalém, Rev. 21:2; (79) a noiva de Cristo, Rev. 22:17; 19:7; (80) testemunhas de Jeová, Isa. 43:10.
Fonte: A Sentinela - 1/9/1981 - págs.24-27

QUALQUER SEMELHANÇA COM O ENSINO ACTUAL É PURA COINCIDÊNCIA, VULGO ENSINO E VERDADE VIRTUAL!

IT



Última edição por Investigando a Torre em Sex Abr 19 2013, 14:46, editado 1 vez(es)


Vamos trabalhar juntos para manter neste fórum um ambiente limpo e amigável. Bons comentários!

"Quem alberga a Verdade no seu coração, não deve temer que lhe falte força na língua e persuasão"
J. RUSKIN
«Stones of Venice», 11

Investigando a Torre
Admin
Admin

Mensagens : 8325
Likes : 307
Data de inscrição : 21/09/2011
Idade : 57
Localização : Vila Nova de Santo André

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Recordar é VIVER - Tem apreço pelo “escravo fiel e discreto”?

Mensagem por so em Sex Abr 19 2013, 14:12

Eu gostava de estar com os par------s do "Corpo Desgovernado" para poder pedir uma explicação pessoal para darem o dito por não dito .

Como eu gostava de poder fazer tudo que é TJ ver que aquela gente um dia diz uma coisa outro dia diz outra .


Conhecereis a internet e a internet vos libertará.

so
Sócio APVIPRE
Sócio APVIPRE

Mensagens : 1965
Likes : 58
Data de inscrição : 01/03/2012
Localização : Norte

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Recordar é VIVER - Tem apreço pelo “escravo fiel e discreto”?

Mensagem por mjp em Seg Abr 22 2013, 17:56

@so escreveu:Eu gostava de estar com os par------s do "Corpo Desgovernado" para poder pedir uma explicação pessoal para darem o dito por não dito .

Como eu gostava de poder fazer tudo que é TJ ver que aquela gente um dia diz uma coisa outro dia diz outra .

A luz meu caro so, a luz... voces esquecem-se da luz do Salmo... qualquer coisa... esqueço-me agora! Aquela "LUZ" opera verdadeiros milagres... A LUZ guia, A LUZ clareia, A LUZ ilumina, a LUZ esclarece!

Toda a interpretações das Escrituras dependem daquela magnífica LUZ!!! Estou mesmo muito inclinado a pensar que Deus, quando fez os Céus e a Terra (e fez mesmo, de acordo com o que acredito!) quando disse: faça-se LUZ, refiria-se, obviamente a esta LUZ... sem o meu amigo ( Morrer a rir ) que isto é mesmo sério!

mjp
Forista desativado

Mensagens : 6491
Likes : 223
Data de inscrição : 26/09/2011
Idade : 56
Localização : Lisboa

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Recordar é VIVER - Tem apreço pelo “escravo fiel e discreto”?

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 06:00


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum